VOLTAR

Protesto de indígenas que bloqueiam Transamazônica completa quatro dias

Radiobrás
Autor: Thaís Brianezi
05 de out de 2006

Manaus - O protesto de indígenas de Rondônia e do sul do Amazonas pela liberação de verbas para a Fundação Nacional do Índio (Funai) entra hoje (5) no quarto dia. Desde a segunda-feira (2), cerca de mil índios estão bloqueando a rodovia Transamazônica na altura do quilômetro 145, na Terra Indígena Tenharim do Marmelo, e a chamada rodovia do Estanho, que sai do quilômetro 150 da Transamazônica e vai até o Mato-Grosso. Esses dois pontos da BR-230 ficam no município de Manicoré (AM).

Só estão passando viaturas policiais e casos de emergência”, disse o plantonista do Centro de Informações e Operações (Ciop) da Polícia Rodoviária Federal em Rondônia, Daniel Reis. Segundo ele, não existe estimativa sobre a quantidade de veículos parados no bloqueio, e também não há caminho alternativo para os motoristas que saem de Porto Velho ou de Manaus com destino ao Centro-Sul do país.

A gente já discutiu a situação dos caminhoneiros. Não queremos prejuízos para eles nem para os manifestantes”, contou o líder Aurélio Tenharim, um dos sete caciques que estão em Brasília reivindicando a liberação de R$ 1,6 milhão para a administração da Funai em Rondônia, que cuida também do sul do Amazonas. O Valmir [Parintintin, liderança indígena e chefe de posto da Funai] está se deslocando para o local do protesto. Provavelmente amanhã (6) a estrada vai ser liberada por um dia, depois vamos bloquear de novo”.

Ontem (4), em Brasília, os caciques se encontraram com o chefe de gabinete do Ministério da Justiça. De acordo com Tenharim, ficou acertado que os manifestantes diminuiriam o valor exigido do governo federal.

Hoje, a comissão indígena passará o dia reunida com o diretor de assistência da Funai, Slowacki Assis, para definir os investimentos prioritários. Ainda não chegamos a um consenso, mas não abriremos mão das atividades de fiscalização, apoio ao setor produtivo, educação e assistência”, adiantou Tenharim.

A secretária do diretor confirmou que Assis está reunido com os índios. Desde ontem, a reportagem da Radiobrás tenta obter informações da Funai em Brasília, mas ainda não recebeu resposta.

Na planilha apresentada pela comissão, os quatro itens somam R$ 684 mil, sendo R$ 308 mil para fiscalização; R$ 164 mil para apoio ao setor produtivo; R$ 71 mil para educação; e R$ 141 para assistência. Há também o funcionamento dos postos da Funai na aldeias, que é muito importante [orçado em R$ 200 mil]”.

Tenharim adiantou também que amanhã os sete caciques pretendem ir ao Congresso Nacional. Eles tentarão, com ajuda dos parlamentares, marcar uma audiência com ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.