VOLTAR

Polícia Federal retorna á Terra Indígena do povo Gavião

Vias de Fato - http://www.viasdefato.jor.br
18 de jan de 2013

A Polícia Federal retornou hoje , 18, á comunidade Governador do povo Pukobjê-Gavião no município de Amarante no Maranhão. Segundo informações dos indígenas, nesta madrugada a PF voltou com mais de 20 carros para deter a ação dos madeireiros que ameaçavam matar os indígenas.

Desde o último domingo, 13, os indígenas mantinham 4 caminhões e um trator presos no pátio da aldeia. Os veículos eram utilizados para retirada ilegal da madeira de dentro da Terra Indígena. Enquanto isso, os madeireiros ficaram entrincheirados num posto de gasolina às margens de uma rodovia, ameaçando invadir a aldeia, retirar os veículos e matar os indígenas.

Na última terça-feira, 15, agentes da Funai, Polícia Federal e Ibama foram até a aldeia Governador para retirar o maquinário, mas foram surpreendidos pelos madeireiros que receberam a polícia à bala, fizeram barricadas, queimaram pneus e impediram que os caminhões e o trator fossem levados. Os agentes federais recuaram e na madrugada saíram sem dizer nada, o que revoltou os indígenas.

O indígena Frederico Pereira Guajajara, da aldeia Juçaral, chegou a ser agredido, pelos madeireiros . O Guajajara relatou que "os madeireiros bateram na minha cabeça, me empurraram, quebraram meu celular e queriam me jogar no fogo, só não fizeram porque outros indígenas não deixaram".

Nesta quarta, 16, as lideranças indígenas afirmaram: "Nós, indígenas do povo Pukobjê-Gavião, perdemos a confiança que tínhamos na Polícia Federal."

Finalmente nesta sexta, 18, as últimas informações são que a PF realizou a retirada dos caminhões e do trator, mas, ainda não foi divulgado quemedidas serão tomadas para garantir a segurança dos indígenas.

http://www.viasdefato.jor.br/index2/index.php?option=com_content&view=a…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.