VOLTAR

Nortão: índios entram em acordo e BR-163 está liberada

Só Notícias - http://www.sonoticias.com.br/
Autor: Alex Fama
18 de mar de 2011

Chegou ao fim o bloqueio ao tráfego na BR-163, próximo a Itaúba (a cerca de 100 km de Sinop), realizado pelos índios terenas. A confirmação foi feita, agora há pouco, ao Só Notícias, pelo inspetor Daniel, da Polícia Rodoviária Federal. De acordo com ele, após horas de negociação, foi feito um acordo com os líderes indígenas para que o trânsito fosse liberado de forma ininterrupta. Não há previsão de novas manifestações na rodovia. A PRF permanece no local para organizar o trânsito.

O desbloqueio aconteceu pouco depois da confirmação, pela própria PRF, de que o clima entre os índios e os motoristas havia "esquentando". Um reforço de 11 policiais do Núcleo de Operações Especiais (NOE), de Cuiabá, se juntou aos cinco que já estavam no local para tentar acalmar os ânimos. Os motoristas impedidos de seguirem viagem estavam ameaçando furar o bloqueio.

Anteriormente, um acordo foi firmado com os índios, por um representante da Fundação Nacional do Índio (Funai) para a entrega de um ofício que seria da presidência do órgão. No entanto, eles estavam irredutíveis. Os manifestantes querem um centro de assistência (saúde, alimentação) em suas terras, localizadas entre Matupá e Peixoto de Azevedo. O núcleo mais próximo é em Colíder - cerca de 200 km onde eles vivem.
Conforme Só Notícias já informou, foi marcada audiência para dia 28, em Brasília, com representantes do governo estadual e um grupo de representante indígena, para tratar das reivindicações.
O bloqueio tem causado prejuízos e transtornos para milhares de pessoas que precisam trafegar pela 163 - principal rodovia que liga Nortão a capital. O protesto iniciou na segunda-feira e, em dois dias, o tráfego foi liberado por algumas horas.

http://www.sonoticias.com.br/noticias/7/123010/nortao-indios-entram-em-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.