VOLTAR

Lula promete 'alavancar' região Norte do país

O Globo, O País, p. 10-11
14 de out de 2006

Lula promete 'alavancar' região Norte do país
Em entrevista a radialistas, presidente diz que pólo de componentes para a TV digital será na Zona Franca de Manaus

Paula Autran e Ismael Machado

Em entrevista de uma hora concedida ontem no Palácio da Alvorada a radialistas dos estados de Roraima, Amazonas, Acre, Amapá, Pará e Rondônia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, comprometeuse a dar prioridade de investimentos às regiões Norte e Nordeste, "para que se possa ter um Brasil mais justo". Nas duas regiões, Lula teve as maiores votações no primeiro turno. Segundo ele - que alfinetou o adversário do PSDB, Geraldo Alckmin, acusando-o de ter sobretaxado aparelhos celulares produzidos em Manaus quando governou São Paulo, para que as empresas trocassem o Amazonas por seu estado - as regiões ficaram anos abandonadas e precisam ser "alavancadas mais rapidamente".

O presidente afirmou ainda que a Zona Franca, cujos privilégios fiscais foram prorrogados até 2023, receberá o pólo da indústria de componentes para a TV digital, que vem sendo disputado entre Amazonas, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

- O desenvolvimento deste setor não vai ser do interesse do empresário, mas do Estado brasileiro.

E esta fábrica de semicondutores é o filé mignon para a Região Norte. Esta discussão sobre a TV digital sempre traz uma tensão, começam a brigar os estados do Sul, do Sudeste, do Norte, do Nordeste. Mas temos como prioridade desenvolver a parte que ficou abandonada mais tempo no Brasil. Nos governos Collor e Fernando Henrique, a Zona Franca foi definhando - disse Lula, acrescentando que os 80 mil trabalhadores das indústrias locais foram reduzidos a 50 mil. - Hoje, graças ao bom Deus, temos 112 mil trabalhadores na região.

O presidente destacou ações que pretende desenvolver no Norte, que classificou de "abandonado pela elite governante do Brasil". Entre elas estão a construção de duas hidrelétricas em Rondônia, a ampliação dos gasodutos, incluindo Manaus-Porto Velho, e o término das eclusas de Tucuruí, no Pará.

- Não tem diferença no tratamento que a gente tem que dar ao menor estado do país, seja ele Roraima, Sergipe ou Alagoas, e ao maior estado, seja ele Amazonas, Pará ou São Paulo.

Temos que fazer justiça. Meu exemplo de governar é o de uma mãe. Não tem nada mais humano do que uma mãe, que não deixa um filho comer dois bifes e o outro comer um.

Lula chegou a se comparar ao ex-presidente Juscelino Kubitschek no setor educacional. Ao dizer que desta vez "ou o Brasil vai ou racha", afirmou que desde JK nenhum presidente investiu tanto na educação quanto ele. E mandou um recado ao governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), que o criticara:
- Não conheço político em época de eleição que elogie outro. Em política é assim: as pessoas ficam menos humanas, esquecem uma relação de amizade. Já perdi muitas eleições, mas não perdi minha postura. Trato todo mundo com respeito.

Petista diz que leis emperram obras importantes
Problema aconteceu na BR-319 e no gasoduto de Coari a Manaus

Na entrevista a rádios da Região Norte, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu fazer da Amazônia um canteiro de obras. Duas hidrelétricas (Santo Antônio e Jirau, em Rondônia), uma eclusa, pavimentação de rodovias e a extensão do gasodudo de Coari, no Amazonas, até Porto Velho, em Rondônia, estão na lista de prioridades citadas por Lula, que prometeu asfaltar a rodovia Cuiabá-Santarém, no Pará, e concluir a BR-319, no Acre. O presidente aproveitou para reclamar de leis aprovadas pelo Congresso que estariam emperrando as obras na região, como a BR-319 e o gasoduto Coari-Manaus.

- A estrada já existe, mas quando você quer restaurar, tem que tratá-la ambientalmente como uma estrada nova. E aí não é culpa do Ibama, do Meio Ambiente. É culpa da legislação, que nós mesmos apoiamos no Congresso - disse o presidente, acrescentando o caso do gasoduto Coari-Manaus:
- Eu fui lá fazer o primeiro pingo de solda. No dia seguinte estava em Brasília e soube que alguém tinha entrado com recurso (para parar a obra).

Lula: "Conflito com Bolívia foi importante"
Lula afirmou que quer ver a Região Norte como Manaus é hoje: um pólo exportador. E acrescentou que o governo peruano está interessado em fazer a rodovia Transoceânica.

- Quando tomamos a decisão de fazer parceria com o governo (do Acre) para a BR-364, é porque temos a chance de fazer com que o Norte possa atrair empresas do país e do mundo com mais facilidade de transporte - disse Lula, que também lembrou o recente incidente diplomático com a Bolívia por causa do gás. - Deus escreve certo por linhas tortas.

E foi importante acontecer este conflito com a Bolívia, para que a gente se desse conta da necessidade de o Brasil ser auto-suficiente na produção de gás. E auto-suficiente também no transporte deste gás. Este país será a maior potência energética do século XXI, seja com gás, biodiesel, biomassa, energia eólica. E um país que precisa e quer crescer não pode ser dependente de energia.

O presidente disse ainda que até 2008 nenhum brasileiro ficará sem energia elétrica. E usou o próprio exemplo de vida para ilustrar a importância do programa Luz Para Todos:
- Vivi até os 7 anos de idade à base de lamparina, com aquela fumaça preta desgramada. Por isto sei como é bom ter luz elétrica. Eu sempre lembro de duas mulheres que conheci, com seis crianças cada uma. Fomos inaugurar o programa e, quando eu acendi a lâmpada, o que vi na minha cabeça é que eu transferi aquela mulher direto do século XVIII para o século XXI. É por isso que eu quero passar para história como o presidente que apagou o último candeeiro e a última lamparina deste país.

Alckmin: Lula usa MP da TV digital eleitoralmente
Tucano reage a insinuações de que prejudicaria indústria de Manaus e acusa petisca de segurar medida provisória

Valmir Lima Especial para O Globo

O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, reagiu ontem a insinuações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição, de que, se eleito, prejudicaria a Zona Franca de Manaus, e acusou o adversário de "segurar medida provisória para depois da eleição", a respeito de concessão de incentivos fiscais para a implantação de uma indústria de semicondutores para TV digital no país.

O tucano ainda prometeu ampliar o parque industrial de Manaus, manter incentivos à Zona Franca e gerar empregos. O compromisso e os desmentidos foram feitos em entrevista à rádio CBN Manaus, na manhã de ontem, por telefone, não mais de 15 minutos depois de Lula falar a rádios da Região Norte que seu adversário prejudicou a Zona Franca, em beneficio de São Paulo, quando foi governador.

Perguntado a respeito de uma medida provisória que estaria pronta para ser editada após a eleição e que estabelece a concessão de incentivos fiscais para a criação de uma indústria de semicondutores para TV digital no país, que atingiria a Zona Franca, Alckmin atacou o governo petista:
- Nós a vemos com grande preocupação. Alias, a eleição não deveria ser objeto para deixar para fazer as coisas depois. Se está certo, deve-se fazer já; e, se não está certo, não se deve fazer nem depois.

E, confrontado se não beneficiaria São Paulo em detrimento de Manaus, respondeu:
- O meu compromisso não é com estado A, estado B, governador A, governador B. O meu compromisso é com o Brasil e com o crescimento. O estado de São Paulo tem um parque industrial extraordinário que não precisa, não tem zona franca. O estado de Minas tem outro parque enorme.

O que eu não acho correto é o governo ficar segurando medida provisória para lançar depois das eleições, prejudicial ao estado do Amazonas.

Boatos: depois do Bolsa Família, a Zona Franca
O tucano ainda reclamou que adversários políticos locais estão espalhando boatos de que o PSDB e o PFL são contrários ao modelo da Zona Franca e aos incentivos fiscais:
- Os nossos adversários andam espalhando boatos e mentiras de que nós somos contra a Zona Franca. Isso não é verdade. Primeiro porque fui constituinte, e a Constituição brasileira consagrou o modelo da Zona Franca de Manaus, que é um modelo muito bem-sucedido.

E aproveitou a entrevista para, mais uma vez, garantir que vai "manter e até aumentar o Bolsa Família".
- Aliás, o Bolsa Família começou com o Bolsa Escola, no tempo do Fernando Henrique. Vamos manter o Bolsa Família e até aumentar o número de famílias que precisam.

Tucano promete criar cem mil vagas no parque
Alckmin promete liberar recursos e gerar competitividade

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, elogiou em entrevista à rádio CBN Manaus o modelo de desenvolvimento incentivado para a Região Norte e prometeu que, se eleito, vai gerar cem mil empregos no Parque Industrial de Manaus e na Zona Franca.

- A minha proposta é liberar rapidamente os recursos contingenciados da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus) para a infra-estrutura e logística, para dar ainda mais competividade ao parque industrial e à Zona Franca de Manaus, e trabalhar para a expansão do pólo tecnológico, inclusive com a questão da TV Digital, e de um novo pólo no setor de fármacos e cosméticos, aproveitando a enorme biodiversidade da Amazônia. Temos que trabalhar muito a questão dos recursos naturais.

Alckmin elogiou a lógica do incentivo regional no caso da Zona Franca:
- O modelo (de desenvolvimento regional) é de sucesso, porque permitiu preservar a Amazônia; a floresta está muito bem preservada, e pretendo trabalhar o zoneamento econômico ecológico para a gente poder ter o maior beneficio possível de toda a região, e, ao mesmo tempo, com o parque industrial e a Zona Franca, gerar cem mil empregos.

Proclamando-se um "defensor do trabalhador brasileiro" e do emprego no nosso país, Alckmin afirmou ainda a intenção de criar uma nova Sudam, para financiar investimentos.

E completou:
- Manaus e o Estado do Amazonas vão me ter como parceiro. Eu sou um homem do emprego, do desenvolvimento.

Segundo o candidato, Manaus e o Amazonas estão sendo prejudicados com a política externa do governo petista.

- Você está vendo uma invasão de produtos chineses no Brasil. Veja o caso do DVD, que está tirando emprego dos brasileiros e o Brasil, equivocadamente, declarou a China economia de mercado.

Candidato diz ter solução para "novela do gás natural"
O candidato se comprometeu a gerar emprego no estado, crescendo o parque industrial:
- Eu vou trabalhar para estimular o crescimento do emprego no estado do Amazonas.

Esse é o meu compromisso. E a Zona Franca é a fonte de emprego mais importante. Eu fiquei entusiasmado. Nós podemos fazer crescer o parque industrial, com novos investimentos para atrair novas empresas e gerar mais empregos.

E se comprometeu a acabar com "essa novela do gás natural" com a Bolívia:
- O meu adversário (Lula) foi ao Amazonas para dar um pingo de solda no gasoduto e eu vou resolver a questão dessa novela. Vou fazer o gás chegar o mais rápido possível em Manaus para termos um outro parque industrial.

O Globo, 14/10/2006, O País, p. 10-11

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.