VOLTAR

Legisladores de toda a América Latina se unem em um plano de recuperação econômica verde com cooperação internacional e justiça social

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas - http://conaq.org.br/
Autor: Texto: Divulgação
07 de jul de 2020

Nossa América Verde se junta ao Green New Deal Global para colocar em prática medidas concretas voltadas ao apoio imediato às populações mais impactadas pela emergência climática e a pandemia de Covid-19

Entre as propostas do Plano de Recuperação Econômica com Justiça Social e Ambiental 2020-2030 estão a criação de imposto sobre a riqueza para os mais ricos e a cooperação fiscal entre os países, uma coalizão global do Sul contra paraísos fiscais, renda básica emergencial às famílias vulneráveis durante a crise e a construção de 25 milhões de moradias sustentáveis

Nossa América Verde é um movimento internacional da sociedade civil que, frente à crise econômica, sanitária e ambiental na América Latina, reúne legisladores e outras lideranças políticas e sociais de vários países para colocar em prática na região o Plano de Recuperação Econômica com Justiça Social e Ambiental 2020-2030. Apresentando medidas concretas de mitigação, adaptação e financiamento para o apoio imediato às famílias pobres e trabalhadoras, uma versão preliminar do plano será divulgada e aberta a consulta pública on-line no dia 6 de julho.

Com reivindicações de renovações urgentes em 14 áreas, o objetivo é aplacar as mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, reduzir desigualdades que vêm se tornando ainda mais profundas com a pandemia de Covid-19 e garantir a qualidade de vida da população. A meta é uma transformação produtiva baseada no realismo científico, na cooperação internacional e na justiça social - os três pilares de um programa que valoriza a colaboração acima da concorrência e defende a necessidade de uma estratégia conjunta entre os países da América Latina.

Parte das propostas demanda essa unidade latino-americana para o bem-estar comum, incluindo ações que promovam um novo acordo com o Norte global, a cooperação tributária, o fortalecimento da paz para facilitar a desmilitarização e reduzir os gastos com defesa, uma política de inovação com propósito público, a defesa dos povos nativos e ativistas ambientais e a criação de uma institucionalidade latino-americana ecológica. As demais delineiam um roteiro de mudanças práticas na vida cotidiana: energia sem emissões, cidades justas e sustentáveis, mobilidade e transporte limpo, proteção às famílias e transição laboral justa, soberania alimentar sustentável, conservação e regeneração da biodiversidade e economia circular (reutilização, reciclagem, redução e resíduos).

Cada uma delas é, por sua vez, composta por uma série de projetos pragmáticos e bem definidos, como a criação de imposto sobre a riqueza para os mais ricos e a cooperação fiscal entre os países, um banco latino-americano de desenvolvimento verde, uma coalizão global do Sul contra paraísos fiscais, a redução de gastos militares, uma renda básica emergencial às famílias vulneráveis durante a crise, a construção de 25 milhões de moradias sustentáveis, o investimento em transporte público 100% elétrico e gratuito em cidades com mais de 200 mil habitantes, uma planificação urbana verde e o recondicionamento energético eficiente com conforto térmico para 40 milhões de pessoas, entre outros.

Nossa América Verde já está presente no Brasil, México, Argentina, Chile, Colômbia e Guatemala, com a meta de alcançar muito em breve toda a América Latina. No Brasil, participam do projeto legisladores como o senador Randolfe Rodrigues (Rede) e os deputados Alessandro Molon (PSB), Áurea Carolina (PSOL), Nilto Tatto (PT), Rodrigo Agostinho (PSB), Túlio Gadelha (PDT) e Tabata Amaral (PDT), sendo que outros se somarão nas próximas semanas. Além disso, toda a sociedade civil - cientistas, economistas, ativistas, lideranças políticas e sociais de toda a região - está convidada a colaborar com o conteúdo por meio da plataforma on-line em nuestraamericaverde.org. A proposta completa também está disponível no site.

Acesse

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.