VOLTAR

Kaiabis e mundurukus, novo objetivo da Funai

O Estado de São Paulo
03 de out de 1972

Funai anuncia nova expedição aos grupos isolados de índios Munduruku e Kaiabi, que vivem próximos à rodovia Cuiabá-Santarém. Informou também que a aproximação das chuvas poderá atrapalhar a aproximação dos irmãos Villas Boas e Apoena Meirelles com os índios Panará ("kranhacãcores").

Os últimos 60 índios Karajá que ainda estão espalhados ao longo da fronteira entre o Pará e Goiás, serão reunidos pela Funai num posto que será construído no Pará.

Membros da anti-slavery Society se reunirão com a Funai para levantar a situação dos grupos indígenas brasileiros.

Diretor do Instituto Indigenista Interamericano afirma que cerca de dois a três milhões dos 20 milhões de indígenas da América Latina permanecem ainda totalmente selvagens.

Político da Arena goiana afirma que a Funai não mantém qualquer colônia penal destinada a recuperar silvícolas rebeldes, "mas postos indígenas para reeducação dos delinqüentes".

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.