VOLTAR

Índios protestam assassinato de Cacique em MT

http://portalamazonia.globo.com/noticias.php?idN=77407&idLingua=1
15 de jan de 2009

CUIABÁ - Índios da etnia Pareci invadiram uma fazenda em Nova Marinlância, Mato Grosso, para protestar o assassinato da Cacique da tribo, Valmireide Zoromará, na noite de sexta-feira (9). A propriedade foi parcialmente destruída.

Ela, o marido e outras 11 pessoas pescavam em uma represa localizada dentro da fazenda. Segundo a polícia, o grupo foi surpreendido por homens armados que seriam empregados da propriedade. Valmireide e o esposo foram atingidos com tiros. A cacique morreu no local e o marido, Valdenir Amorim, está hospitalizado em estado grave.

Dois suspeitos de participação no crime já estão presos, um deles, Ismael Rosa Lima, gerente de uma fazenda em Diamantino (MT), confessou ter assassinado a indígena.

Ele afirmou, segundo o delegado Daniel Lemos Valente, ter matado a cacique quando fazia ronda noturna e a encontrou pescando com um grupo de índios em uma represa da propriedade. Ainda de acordo com Valente, ele alegou ter agido em legítima defesa, pois os índios teriam atirado primeiro.

O policial explica que a fazenda, de propriedade de Sebastião de Assis, faz limite com a aldeia da qual Valmireide era cacique. Os índios alegam, segundo ele, que a represa - um criadouro de peixes - não faz parte da propriedade.

Lima teria dito que costumava fazer ronda armado na represa. Ele flagrou o grupo de índios quando pescavam por volta das 22h30 de sexta-feira. O marido de Valmireide, Valdenir Amorim, também foi ferido no incidente e encontra-se hospitalizado.

Segundo o delegado, nesta quarta-feira (14) a situação já estava mais calma e eles deixaram o local. "Para evitar problemas, mandamos o Ismael para Cuiabá", explica o delegado. O suspeito deve ser indiciado por homicídio qualificado.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.