VOLTAR

Indígenas da Amazônia liberam o tráfego na Rodovia do Estanho

Radiobrás
Autor: Thaís Brianezi
06 de out de 2006

Manaus - Os indígenas de Rondônia e do sul do Amazonas liberaram a chamada Rodovia do Estanho, mas continuam a bloquear a Transamazônica. Desde segunda-feira (2), cerca de mil índios fazem um bloqueio da Transamazônica na altura do quilômetro 145, na Terra Indígena Tenharim do Marmelo. Também estavam bloqueando a rodovia do Estanho, que sai do quilômetro 150 da Transamazônica e vai até o Mato-Grosso. O ato é um protesto por mais verbas para as ações da Fundação Nacional do Índio (Funai) na região.

O município de Apuí [com quase 19 mil habitantes, no sul do Amazonas] está sem combustível e já começou a racionar energia elétrica, que é gerada por motor movido a óleo diesel”, disse hoje (6) à Radiobrás o chefe do Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal em Rondônia, Inspetor Régis Ramos.

Segundo ele, o fluxo de veículos nesse trecho da Transamazônica é pequeno, cerca de 100 veículos por dia. No período mais chuvoso (entre fevereiro e maio) é ainda menor, porque a estrada não está asfaltada e o barro só possibilita o tráfego de veículos tracionados.

Ramos informou que seis policiais rodoviários se revezam no local do protesto. Fizermos um acordo com os caciques para que os indígenas saíssem da estrada para evitar confrontos com motoristas”, afirmou. Há uma comissão indígena que decide quem pode passar ou não. Eles estão liberando viaturas policiais e veículos de emergência médica”.

Cerca de 9 mil indígenas de 45 etnias (dentre elas, Parintintin, Tenharim, Pirarã, Apurinã, Mura e Mundurucu) vivem em Rondônia e no sul do Amazonas.

Uma comissão formada por sete caciques está em Brasília negociando com representantes do governo federal a liberação de recursos para a Funai naquela região. A reivindicação inicial era de R$ 1,6 milhões, mas os líderes indígenas tentam, agora, diminuir esse valor, priorizando os investimentos mais urgentes.

Na planilha apresentada por eles ao chefe de gabinete do Ministério da Justiça, na última quarta-feira (4), há quatro itens que somam R$ 684 mil, dos quais os índios não abrem mão: fiscalização (R$ 308 mil); apoio ao setor produtivo (R$ 164 mil); educação (R$ 71 mil) e assistência (R$ 141).

Estamos nos reunindo desde ontem [5] com as coordenadorias da Funai que cuidam desses setores”, contou um dos membros da comissão, Humberto Terena. O administrador da Funai em Rondônia [Rômulo Siqueira] deve chegar hoje aqui. Ele nos disse que não recebeu dinheiro neste ano, mas estão nos mostrando documentos que provam que parte da verba foi repassada”.

A assessoria de imprensa da Funai não soube informar qual o orçamento aprovado para a Funai em Rondônia nem qual a verba foi disponibilizada para lá. Informou apenas que, na próxima semana, a diretoria do órgão fará um pedido de crédito especial ao Ministério da Justiça, para custear as ações da Funai em Rondônia e no sul do Amazonas. O valor desse pedido ainda não está definido.

Os caciques devem ficar em Brasília até o próximo dia 16, quando têm uma audiência marcada no Ministério da Justiça. Eles também querem agendar, com ajuda de parlamentares, um encontro com o Ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

No fim de semana, a Transamazônica será liberada. Mas na segunda-feira (8) ela volta a ser fechada. As comunidades estão ameaçando bloquear também a rodovia BR-364 [que liga Rondônia ao Mato Grosso], caso as negociações não avancem”, adiantou Terena.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.