VOLTAR

Governo vai conceder áreas para exploração de madeira na Amazônia

OESP, Economia, p. B4
31 de dez de 2006

Governo vai conceder áreas para exploração de madeira na Amazônia

O secretário-executivo do Ministério de Meio Ambiente (MMA), Claudio Langone, disse que o relato feito pela ministra Marina Silva na reunião ministerial de 17 de novembro tirou a impressão de dentro do governo de que a área trava o desenvolvimento do País. Ele disse que a apresentação dos números de licenciamento concedidos pelo Ibama nos últimos quatro anos e a demonstração de que muitos projetos, mesmo licenciados, não saíram do papel tiraram o foco sobre o ministério. "A apresentação destes dados trouxe mais racionalidade para a discussão", afirmou.

Langone afirma que o MMA terá um papel importante no desenvolvimento econômico do País e não apenas na agilização do licenciamento de projetos de infra-estrutura. O secretário-executivo informou que no segundo semestre de 2007 o ministério irá iniciar a concessão de áreas florestais na região Amazônica, nas áreas do Distrito Florestal da BR 163, para a exploração de madeira de forma sustentável. "Só nesta região achamos que o número de empregos passará de 18 mil para 100 mil", disse.

O ministério deve ainda criar outros dois distritos para posterior concessão: o de Carajás e o das margens da BR 319, que liga Porto Velho (RO) a Manaus (AM). Hoje, 70% da região amazônica é de propriedade da União. Assim, o governo quer elevar o PIB florestal, hoje estacionado em 4% - quase todo gerado por florestas plantadas -, e reduzir a exploração ilegal da madeira. O plano prevê a retirada de madeira certificada com posterior processamento. "Não queremos a retirada de toras, mas a saída de produtos acabados, principalmente para a exportação", explica.

OESP, 31/12/2006, Economia, p. B4

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.