VOLTAR

Funasa anuncia "libertação" de funcionários mantidos como "reféns" em aldeia

Radiobrás
Autor: José Carlos Mattedi
15 de mai de 2007

Foram libertados no início da tarde de hoje (15), os três funcionários da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) que teriam sido mantidos reféns, desde o último domingo (13), na aldeia indígena Estirão Grande, no município de Manicoré, Amazonas.

De acordo com a Funasa, os profissionais (um odontólogo, um patologista e uma nutricionista) não sofreram nenhum tipo de agressão física e passam bem. Eles irão para Manaus, capital amazonense que fica a 330 quilômetros de Manicoré.

Segundo a fundação, os três integrantes da equipe de saúde atuavam na região de Estirão Grande a trabalho e, quando retornavam a Manicoré, foram impedidos de prosseguir pelos índios tenharim. Ontem (14), o coordenador regional da Funasa, Francisco Aires, deslocou-se até à região acompanhado da Polícia Federal (PF).

A libertação ocorreu graças ao apoio da PF e do Ministério Público”, frisou Aires. Segundo ele, em nenhum momento, desde o sequestro dos funcionários”, os indígenas apresentaram reivindicações ou motivos para manter os profissionais presos. Aires ressaltou que os serviços de saúde da Funasa na região estão sendo disponibilizados regularmente, assim como as unidades de saúde funcionam normalmente”.

Em nota, a Funasa afirmou que repudia atitudes violentas e antidemocráticas que colocam em risco a vida de seus funcionários”, e que nada contribuem para a melhoria do atendimento às comunidades” da região. A Fundação Nacional do Índio (Funai) foi procurada para comentar a ação dos índios de Estirão Grande, mas informou através de sua assessoria que não se pronunciaria sobre o assunto.

Ontem, por meio de nota oficial, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) contestou a denúncia de seqüestro dos servidores da Funasa. Segundo a Coiab, a equipe de saúde estava no local para uma campanha de vacinação.

Em sua nota, a Coiab negou que os Tenharin tenham agido de maneira agressiva e violenta contra os funcionários da Funasa. Afirmou, no entanto, que os três permaneciam na aldeia como uma forma de mostrar ao governo e à sociedade o descaso com a saúde indígena em Manicoré.

De acordo com a Coiab, existem inúmeras reivindicações por parte dos índios tenharin. Entre elas, a realização de reuniões dos conselhos locais e a garantia de hospedagem para os indígenas (casas de apoio) em tratamento de saúde na sede municipal.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.