VOLTAR

Funai nega que vai enviar funcionário para negociar libertação de reféns de índios na divisa de MT e PA

Globo - http://oglobo.globo.com/
Autor: Demétrio Weber
18 de out de 2001

Após anunciar nesta terça-feira que o coordenador-geral de Índios Isolados e de Recente Contato, Carlos Travassos, viajaria até a aldeia Kururuzinho, na divisa de Mato Grosso e Pará, onde nativos da etnia kaiabi mantêm sete pessoas como reféns, a Fundação Nacional do Índio (Funai) voltou atrás e divulgou nesta noite que Travassos não irá ao local. Segundo a assessoria de imprensa da Funai, uma proposta de negociação será feita via rádio, por meio da Coordenação da Funai em Colíder (MT).

A assessoria informou que o anúncio da ida de Travassos não passou de um erro de comunicação, já que o deslocamento do coordenador até a aldeia Kururuzinho nunca esteve previsto.

Cinco técnicos da Funai e dois funcionários da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) foram feitos reféns na comunidade, segundo notícia que chegou nesta terça-feira à sede da fundação, em Brasília. Os kaiabi protestam contra a construção de uma usina hidrelétrica em fase de licenciamento ambiental e a demora na demarcação física da reserva indígena.

Em ofício enviado à coordenação em Colíder, a presidência da Funai propõe que uma comissão de 15 índios vá a Brasília discutir a demarcação física da reserva.

http://oglobo.globo.com/cidades/mat/2011/10/18/funai-nega-que-vai-envia…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.