VOLTAR

Estudantes indígenas levam a prefeito principais problemas de 22 etnias

Radiobrás
Autor: Amanda Mota
08 de ago de 2007

Manaus - Representantes do Movimento dos Estudantes Indígenas do Amazonas (Meiam) reúnem-se hoje (8) com o prefeito de São Gabriel da Cachoeira (AM), Juscelino Gonçalves, para apresentar o resultado do 1o Congresso em Defesa dos Direitos dos Adolescentes Indígenas, que reuniu na semana passada cerca de 200 jovens das 22 etnias que vivem na região.

De acordo com o coordenador do congresso, Délio Alves, a iniciativa teve o objetivo de garantir os direitos dos jovens indígenas da região do alto Rio Negro, a partir do diagnóstico dos principais problemas enfrentados e identificados pelos próprios participantes.

Além da apresentação do documento final, de acordo com o coordenador do evento, Délio Alves, espera-se também que na reunião com o prefeito Juscelino sejam definidos os detalhes sobre o envolvimento da prefeitura a partir das propostas sugeridas e também linhas de ação em parceria com os jovens indígenas que vivem na região. De acordo com o Meiam, o objetivo é aproveitar esse material a curto, médio e longo prazo.

Até o dia 18 deste mês, todas as propostas serão encaminhadas ao executivo estadual e federal. Quanto às organizações internacionais, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), que também foi um dos apoiadores do encontro, vai se responsabilizar pela entrega.

Em troca da implementação das propostas, os adolescentes indígenas se comprometem a divulgar o documento final em suas comunidades, fiscalizar e acompanhar os trabalhos, além de "serem protagonistas da vida", conforme destacado no documento.

São Gabriel da Cachoeira está localizada no extremo noroeste do Amazonas e concentra a maior população indígena do país, cerca de 90% de seus habitantes. No total, vivem na região aproximadamente 45 mil indígenas, alguns ainda de pouco contato.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.