VOLTAR

14 povos indígenas cearenses fazem parte da 15ª edição do Acampamento Terra Livre

O Povo opovo.com.br
23 de abr de 2018

Cerca de 60 representantes de 14 povos indígenas cearenses estão presentes na 15ª edição do Acampamento Terra Livre (ATL), em Brasília. A mobilização teve início nesta segunda-feira, 23, e seguirá até o dia 27 deste mês. O evento pretende reunir, aproximadamente, 3 mil indígenas até o último dia.

Estão presentes no ATL, líderes das delegações dos Tapebas, Pitaguary, Kariri, Tapuia-Kariri, Tremembé, Potyguara, Tabajara, Tupinambá, Anacé, Kalabaça, Jenipapo-Kanindé, Gavião, Tubiba-Tapuia e Kanindé de Aratuba. Segundo o representante da tribo Tapeba, Antônio Dourado, a locomoção dos representantes até Brasília só foi possível com o apoio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e do Governo do Estado, que disponibilizou um ônibus para a viagem.

De acordo com Dourado, o objetivo da mobilização é discutir questões territoriais, saúde e educação. O ATL, esse ano, está concentrado em frente ao Museu Memorial dos Povos Indígenas. "A princípio, nós estávamos acampados em frente à Esplanada dos Ministério, como de costume, mas fomos expulsos por policiais militares", explica o líder dos Tapebas.

O acampamento

Organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), o ATL é considerado a maior mobilização indígena nacional. O evento faz parte da semana de Mobilização Nacional Indígena (MNI) e reúne, todos os anos, mais de mil lideranças de todas as regiões do país.

A semana do ATL é o período onde os povos indígenas pressionam as autoridades para a manutenção e efetivação de seus direitos constitucionais e das legislações internacionais. Com encerramento no dia 27, a programação contará com plenárias, debates, audiências com parlamentares e representantes do Executivo, Legislativo e do Judiciário.

https://www.opovo.com.br/noticias/politica/2018/04/14-povos-indigenas-c…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.