VOLTAR

"UC Conhece???" e os desafios da conservação ambiental no interior paulista

Blog do CRF - http://blogdocrf.blogspot.com.br/
28 de abr de 2015

Nesta 4o saída do UC Conhece, tivemos a oportunidade de conhecer o Parque Estadual Furnas do Bom Jesus, localizado no município de Pedregulho, na região Nordeste do Estado de São Paulo. Trata-se de um Parque com 2.069,06 ha, cujo relevo apresenta-se na forma de canyon, com declives de até 200 metros e vegetação do tipo Cerrado, Cerradão, Floresta Estacional Semidecidual, além de mata ciliares.

Entre os vários atrativos do parque, visitamos quatro Cachoeiras, variando entre 15 e 130 metros: cachoeira do chalé (15 m), Macacos (30 m), Malta (60 m) e Cascata Grande (132 m). Encontramos também indícios da presença do lobo guará, tamanduá mirim e tatuí, além de avistarmos várias aves e invertebrados. O mirante reserva uma vista espetacular das Ffurnas coberta por vegetação preservada. Imperdível!

É uma joia localizada no interior do Estado de São Paulo, que ainda resiste à pressão do agronegócio que predomina no nosso estado. Até chegarmos ao parque, passamos por quilômetros e quilômetros de plantações de cana, em meio uma paisagem alterada e descaracterizada onde pouco se vê o que restou de matas ciliares e das reservas legais. Nas fronteiras do parque, plantações de café margeiam a bordas das Furnas, confinando a área preservada nas encostas e interior do canyon.

No retorno para São Paulo, passamos pelo Parque Estadual de Vassununga, em Santa Rita do Passa Quatro, para conhecer a trilha dos Jequitibás. O Patriarca é de tirar o fôlego! Contudo, por se tratar de uma gleba pequena, sofre com a invasão das lianas, cipós e trepadeiras, além das plantações de cana que pressionam na vizinhança!!!

Muitos são os vetores de pressão que afligem nossos parques no interior do estado! Sem a colaboração dos proprietários rurais, na manutenção de suas APPs e reservas legais, e no uso consciente de agrotóxicos, fica difícil imaginar um futuro para nossas áreas protegidas!

Por Adriana de Arruda Bueno

Complementarmente ao relato da colega Adriana, o CRF apurou em seu banco de dados (conforme amplamente veiculado em importantes jornais do Estado), que essas UC foram administradas entre setembro de 2012, no PE Furnas, e agosto de 2013, no PE Vassununga, até fevereiro de 2015 por profissionais sem vínculo com a conservação de áreas protegidas. Apesar dos contundentes desafios técnicos associados à gestão dessas unidades de conservação, esses dois territórios foram administrados por profissionais formados em odontologia.

É por esse motivo que o CRF vem solicitando que a Fundação Florestal defina critérios públicos, transparentes e responsáveis para a indicação dos cargos em comissão, tendo como base a qualificação técnica e a experiência na área, de modo a coibir conveniências político-partidárias e interesses escusos à instituição.

Nesse sentido, um dos itens da Pauta de Reivindicações 2015 dos funcionários da FF é que seja aplicado imediatamente um programa de incentivo aos funcionários de carreira que tenham interesse em atuar como Chefes de Unidade, através de um Processo Seletivo interno.

Outro fato que chamou a atenção foi o potencial turístico subaproveitado das unidades de conservação! Apesar das cachoeiras espetaculares, mirantes incríveis e biodiversidade exuberante, e do fato de estarmos em pleno feriado prolongado, a estrutura e o número de visitantes presentes nas UC pareceu-nos abaixo das potencialidades existentes.

Confira aqui as fotos das visitas: https://plus.google.com/photos/110772922555724805568/albums/61410394861…

http://blogdocrf.blogspot.com.br/2015/04/uc-conhece-e-os-desafios-da-co…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.