VOLTAR

Tribos do país podem perder línguas, avisa relatório

Veja On Line
19 de set de 2007

Nas tribos indígenas do Brasil estão algumas das línguas nativas mais ameaçadas de extinção no planeta. De acordo com um relatório divulgado nesta quarta-feira pela National Geographic Society e pelo instituto Living Tongues, os idiomas nativos de muitos índios brasileiros são substituídos pelo português, pelo espanhol e pelas línguas nativas mais fortes.

As tribos que têm os idiomas mais ameaçados estão concentradas perto da fronteira do Brasil com a Bolívia e o Paraguai. No Mato Grosso do Sul, por exemplo, há menos de 20 índios capazes de falar o idioma ofayé. Menos de 50 conseguem falar o guató. Conforme os pesquisadores da National Geographic e da Living Tongues, a área é de "alto risco" para línguas ameaçadas de extinção.

Outra área, próxima ao rio Guaporé, em Rondônia, também tem idiomas ameaçados, como o wayoró, falado por apenas 80 pessoas. Os pesquisadores dizem que a área é "uma das mais críticas" para as línguas nativas, já sofre a influência do português da Amazônia brasileira, do espanhol falado na Bolívia e dos idiomas quécua e aymara, da região andina boliviana.

Cultura - O alerta sobre as línguas nativas brasileiras é parte de um projeto que documentou todos os idiomas ameaçados do planeta. Metade das cerca de 7.000 línguas faladas hoje no mundo deve desaparecer ainda neste século. A cada 14 dias, em média, um idioma morre no mundo. "Com a extinção de uma língua, uma cultura toda se perde", diz o documento divulgado nesta quarta.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.