VOLTAR

Transgenicos polarizam evento na Malasia

OESP, Geral, p.A6
24 de fev de 2004

Transgênicos polarizam evento na Malásia Debate sobre comércio de alimentos modificados divide Conferência de Biossegurança

KUALA LUMPUR - Mais de 2 mil pessoas, entre representantes de 180 governos, organizações internacionais e grupos ecológicos, participam desde ontem da 1.ª Conferência Mundial sobre Biossegurança, em Kuala Lumpur, na Malásia. No encontro, deverá ser discutida a regulamentação do comércio internacional de produtos da biotecnologia - em especial, os alimentos transgênicos. A reunião, que vai até quinta-feira, é a primeira desde a ratificação do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, que entrou em vigor em 11 de setembro do ano passado.
A reunião é organizada pela ONU, dentro do Convênio Mundial sobre Diversidade Biológica. Durante a conferência, os especialistas tratarão da criação de um selo internacional para estes produtos e tentarão forçar os quatro principais produtores de transgênicos do mundo (China, Canadá, Estados Unidos e Argentina) a assinarem o protocolo. Estas nações produzem 90% dos transgênicos do mundo.
Divergências - Consenso porém é difícil. A conferência virou mais um cenário para o enfrentamento de críticos dos transgênicos, que questionam sua segurança, e seus defensores, que apresentam a tecnologia como mais uma arma no combate à fome. A Amigos da Terra, ONG ambientalista, abriu o debate dizendo que, em dez anos, a Monsanto e outras empresas de biotecnologia só conseguiram vender transgênicos nos Estados Unidos. No entanto, de 1996 a 2003, a área global de plantio de transgênicos saltou de 1,7 milhão de hectares para 67,7 milhões. As projeções indicam que o total deverá chegar a 100 milhões de hectares plantados em 25 países nos próximos cinco anos.
A grande controvérsia em Kuala Lumpur gira em torno dos riscos potenciais dos transgênicos e a regulamentação de seu comércio, particularmente da rotulagem. O Protocolo de Cartagena, de janeiro de 2000, dá aos países o direito de proibir a importação de transgênicos invocando o princípio da precaução. O acordo não foi firmado pelos Estados Unidos, mas foi ratificado por 86 países e pela União Européia.
Nos EUA, a rotulagem não é considerada necessária, porque a lei não prevê que os processos de produção sejam discriminados em rótulos. O país, porém, faz lobby para que todos os demais não exijam a rotulagem de transgênicos.
Ontem o observador americano que acompanha a reunião, Richard White, reiterou a posição de Washington, declarando que "não há qualquer prova científica que demonstre a existência de problemas de saúde devido ao consumo de transgênicos". (AFP e AP)

OESP, 24/02/2004, p.A6

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.