VOLTAR

Titulação de terra quilombola no Pará é destaque na imprensa internacional

Ariquemes http://www.ariquemesonline.com.br/
Autor: Heloá Canali
06 de mar de 2018

A importância de se reconhecer terras quilombolas e dar a população que reside nesses locais o título de sua terra foi notícia, nesta segunda-feira (5), no Jornal inglês The Gardian. O periódico deu destaque para a titulação mais recente feita pelo Governo do Pará, que ocorreu no sábado (3), em Cachoeira Porteira, quilombo localizado no município de Oriximiná, no oeste do Estado.

Com imagens do repórter fotográfico e cinematográfico paraense Márcio Nagano, o jornal enfatizou o número de áreas tituladas no Brasil e aponta o Pará como o maior titulador. Ele destaca a luta histórica do movimento negro no Brasil e trata a titulação de Cachoeira Porteira como "vitória significativa", principalmente "em um momento em que a proteção das comunidades rurais tradicionais do Brasil está ameaçada pelo Governo Brasileiro".

Somente nos últimos três anos, o Governo emitiu cinco títulos coletivos de terras quilombolas. Ainda este mês, outras três ganharão títulos: Ramal do Caeté (Abaetetuba/Moju), Espírito Santo (Acará) e São Tomé do Tauçu (Portel). Nessas três localidades, mais de 300 famílias serão beneficiadas. "A prioridade é dar a terra a quem de fato é de direito,", explicou o presidente do Instituto de Terras do Pará (Iterpa), Daniel Lopes.

Mas o trabalho do Governo não para por ai. Depois do título em mãos, diversas ações são realizadas nas comunidades, entre elas se destacam as da área da saúde e educação, assim como a abertura de outros benefícios assistenciais que incluem geração de emprego e renda.

Além das três titulações programadas ainda para o mês de março, o Iterpa avalia pelo menos outras seis comunidades remanescentes de quilombolas, para receberem o seu documento ainda este ano.

http://www.ariquemesonline.com.br/noticia.asp?cod=344022&codDep=71

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.