VOLTAR

Terras indígenas

FSP, Painel do Leitor, p. A3
Autor: TAVORA, Dion de Assis; PUDD, Fabiano Rossoni
20 de abr de 2008

Terras indígenas

"O comandante militar da Amazônia, general Augusto Heleno, fez uma conferência no Clube Militar em que classificou a política indigenista brasileira como "caótica". Essa política entreguista orientada por ONGs estrangeiras conseguiu que fosse demarcada para os índios uma área contínua na fronteira de Brasil, Venezuela e Guiana. A área corresponde à metade de Roraima e é do tamanho da Inglaterra.
Para completar o quadro, as ONGs também advogam a livre autodeterminação dos povos indígenas. Em outras palavras, ao concedermos aos indígenas uma área contínua na fronteira e mais o direito de autodeterminação, estamos a um passo de perder território. É contra isso que o general Heleno se insurgiu. Na sua conferência, expôs o perigo dessa política. O fato de o governo do presidente Lula não enxergar o problema sob esse prisma não significa que o problema não exista. O problema existe, sim, e, se a esfera civil nada fizer para impedir esse desvario, cabe aos militares impedir que isso aconteça."
Dion de Assis Tavora (Rio de Janeiro, RJ)

"Em Roraima, 80% dos empregos vêm do setor público. Quem é que vai nos salvar dos políticos? Lula e as ONGs deveriam ceder 1% das margens da reserva Raposa/Serra do Sol aos agricultores. Parece pouco, mas o arroz é tudo que Estado exporta. É uma falácia falar de segurança nacional, como também é comparar os índios macuxis, ingaricós e taurepangs com os yanomamis. As ideologias afogaram o bom senso?"
Fabiano Rossoni Pydd (Boa Vista, RR)

FSP, 20/04/2008, Painel do Leitor, p. A3

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.