VOLTAR

Sipam revela dados sobre desmatamento em Rondônia

Sipam - www.sipam.gov.br
01 de jun de 2009

O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) revelou o desmatamento de 17.854 hectares em áreas de preservação de Rondônia no ano de 2008 e a ocorrência de 14.157 focos de calor em todo o estado no mesmo período. Os dados foram obtidos através da interpretação de imagens colhidas por satélites e divulgados dia (28) no Centro Regional de Porto Velho.

Em comparação com os anos anteriores, foram 47% a menos de desmatamento e diminuição de cerca de 50% das queimadas.

Dados positivos, mas no que se refere às Unidades de Conservação e Terras Indígenas, ainda preocupantes. A maioria dos desmatamentos, nessas áreas são ilegais, onde por lei só se permite ações sustentáveis. As áreas protegidas somam 10.324.633 hectares do estado. Desse total, 276.656 hectares de floresta nativa já foram derrubados.

Terras indígenas

As terras indígenas são os locais mais preservados, representando apenas 10% dos desmatamentos. Já dentre as Unidades de Conservação, a estadual Reserva Extrativista Jaci-Paraná e a federal Floresta Nacional do Bom Futuro têm os piores índices, representando juntas 75% de todas as derrubadas do estado.

A constatação impulsionou a Operação Terra Nova do Ibama na Flona, iniciada em maio desse ano, na qual o Sipam também participa apoiando no planejamento, controle e instalando veículos de comunicação.

Porto Velho

Os dados de focos de calor do Sipam, obtidos através de cruzamento de informações de mais de um satélite, indicam onde e com que intensidade ocorrem as queimadas, geralmente utilizadas para preparar o solo e limpar o terreno.

Rondônia mantém queda nos números desde 2005 e continua sofrendo mais entre os meses de agosto a outubro, quando as ocorrências correspondem a 94% do total.

A maioria das queimadas acontece no norte e sudoeste do Estado, sendo os municípios de Porto Velho, Machadinho DOeste, Cujubim e Costa Marques os mais atingidos.

Se relacionada à área do município com o número de focos, São Francisco do Guaporé também aparece entre os primeiros.
No estado, o fogo ocorre mais em áreas particulares e de desmatamento antigo (43%), mas assentamentos, unidades de conservação e mesmo as terras indígenas aumentaram suas queimadas, representando juntos cerca de 44% do total. Entre esses, a Floresta Nacional do Bom Futuro se destaca com a ocorrência de 1.007 focos de calor.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.