VOLTAR

Racionamento atinge 29 cidades de SP

O Globo, País, p. 15
19 de set de 2014

Racionamento atinge 29 cidades de SP

Rodízio de água já é feito em municípios com 3,6 milhões de pessoas
-SÃO PAULO- A pior crise hídrica da história de São Paulo já levou 29 cidades a decretarem racionamento de água. O rodízio atinge cerca de 3,6 milhões de habitantes, o que equivale a um a cada 12 moradores do estado. Ontem, foi a vez de Mauá, abastecida pelo sistema da represa Billings, na Região Metropolitana, anunciar que dará início a um racionamento em 1o de outubro.
As cidades que aderiram ao racionamento de água estão espalhadas pelo estado, recebem água de diferentes represas e são administradas por vários partidos. A maior parte delas (nove) tem prefeitos do PSDB, partido do governador Geraldo Alckmin. Moradores da capital têm reclamado de falta d'água desde março, embora a Sabesp negue a medida.
A prefeitura de Mauá alega que a Sabesp reduziu em 22% a quantidade de água enviada à empresa municipal que faz a distribuição para as casas. O município é o segundo da região metropolitana a adotar o revezamento. Em março, Guarulhos já havia adotado um racionamento alegando o mesmo motivo, já que também tem uma empresa própria para fazer a distribuição.
Os níveis dos principais reservatórios de água do estado continuam caindo. O Cantareira atingiu ontem 8,6%, enquanto o Alto Tietê chegou a 13,1%. Os índices levaram a Agência Nacional das Águas (ANA) a publicar uma nota afirmando que o governo do estado atrasou a entrega do plano de operação de 2015 do sistema Cantareira e não marcou reunião com o órgão federal.
Diante do problema que atinge milhares de pessoas, o governo paulista optou por uma resposta lacônica: "Reiteramos que não houve acordo ou decisão sobre o tema''. (Tiago Dantas)

O Globo, 19/09/2014, País, p. 15

http://oglobo.globo.com/brasil/racionamento-de-agua-atinge-29-cidades-d…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.