VOLTAR

Produtores de Canarana compartilham conhecimentos sobre plantio de árvores no Cerrado

ISA - http://www.socioambiental.org
Autor: Natalia Guerin e Christiane Peres
08 de set de 2011

Quarenta produtores de diversas regiões do País foram convidados a apresentar e trocar suas experiências em plantios de árvores nativas durante o Seminário Plantio de Árvores no Cerrado, em Brasília.O evento foi promovido pelo Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) e pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Além da apresentação das técnicas de plantio como estaquia, clonagem de árvores, plantio de mudas e pastagens ecológicas, o encontro buscou levantar as demandas por pesquisas voltadas para o desenvolvimento e aperfeiçoamento de técnicas mais ecológicas e economicamente viáveis para a recuperação do Cerrado.

O seminário foi o pontapé inicial para a compilação e disseminação das tecnologias informais que vêm sendo desenvolvidas dentro das pequenas propriedades por todo o Brasil", afirma Daniel Vieira, funcionário da Embrapa e um dos organizadores do evento A ideia é compilar essas experiências em uma cartilha para levar as técnicas inovadoras a milhares de outros agricultores do País.

Pioneiros em recuperação

Entre os participantes estavam dois pioneiros na recuperação de áreas degradadas de Canarana: Amandio Micolino e Teresinha Goldoni. Ambos foram convidados para apresentar suas experiências com o plantio mecanizado de árvores nativas.

Utilizando sua plantadeira de soja, Teresinha já recuperou três hectares na beira da represa do Garapu, localizada em sua fazenda. Já Amandio Micolino vem utilizando desde 2008 seu vincón - uma lançadeira de adubo - para recuperar, 6,5 hectares de Cerrado que desmatou em sua fazenda quando chegou em Canarana, na década de 1970. "Isso precisa ser divulgado para a população, pois somos chamados de loucos por estarmos plantando árvores", diz.

Édemo Côrrea, também morador de Canarana, apresentou os avanços que vem obtendo com seu pasto consorciado com pequi. "Quando os pés de pequi estão com mais de dois anos, o gado pode ser colocado na mesma área, pois já não alcança mais a gema das plantas, e por isso não danifica as árvores", explica. Ele participou da primeira turma de formação de agentes socioambientais, organizada pelo Instituto Socioambiental (ISA), em 2006, e é hoje um dos principais produtores de pequi da região. Édemo também planta outras espécies nativas do Cerrado, como o murici, cagaita e jatobá e explica a outros agricultores seu sistema silvipastoril de pastagem consorciada com pequi e outras espécies do Cerrado.

As experiências de restauração florestal em Canarana, apresentadas no evento, vêm sendo realizadas em parceria com o ISA, no âmbito da campanha Y Ikatu Xingu. "A iniciativa dos produtores em implementar atividades de restauração dentro de suas propriedades e buscar alternativas mais ecológicas para sua produção é o resultado mais significativo da campanha", avalia Rodrigo Junqueira, coordenador adjunto do Programa Xingu do ISA.

Em cinco anos, mais de dois mil hectares de áreas degradadas na Bacia do Rio Xingu entraram em processo de restauração. A estimativa é que até o fim deste ano mais 300 hectares sejam implantados. As restaurações florestais já estão presentes em 14 municípios de Mato Grosso: Canarana, Água Boa, Barra do Garças, Vila Rica, Gaúcha do Norte, Querência, Bom Jesus do Araguaia, São Félix do Araguaia, Canabrava do Norte, São José do Xingu, Santa Cruz do Xingu, Marcelândia, Cláudia e Nova Mutum.

http://www.socioambiental.org/noticias/nsa/detalhe?id=3402

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.