VOLTAR

Povos indígenas comemoram realização de jogos em Alagoas

Gazeta Web gazetaweb.globo.com
Autor: Marcelo Amorim
26 de nov de 2017

A semente foi semeada e o acordo já está firmado para a realização de mais uma edição em 2018 dos Jogos Indígenas de Alagoas. O primeiro evento do gênero no Estado reuniu representantes de aldeias de nove municípios e aconteceu durantes três dias, no estádio Rei Pelé, em Maceió. Além de competições esportivas voltadas às atividades dos 11 povos alagoanos, houve também debates e apresentações culturais.

Em três dias de competições, entre a quarta e a sexta-feira passadas, índios de aldeias situadas em nove municípios de Alagoas puderam mostrar seus talentos em arco e flecha, arremesso de bordana e zarabata (tipo de instrumento de caça) corridas de maracá e do pote, entre outras práticas preservadas pelos indígenas alagoanos e que estiveram entre as 10 modalidades esportivas disputadas no evento. Os jogos em nível de estado aconteceram também como resultado de competições já realizadas em anos anteriores em comunidades como a Xucuru-Kariri, em Palmeira dos Índios, em 2016.

De acordo com o comitê organizador, o evento representou um importante marco para os 11 povos indígenas de Alagoas, que somam mais de 15 mil pessoas nas aldeias espalhadas por municípios como São Sebastião, Palmeira dos Índios, Água Branca, Joaquim Gomes, Feira Grande, Porto Real do Colégio e Pariconha. No total, 340 índios participaram das disputas e os vencedores receberam medalhas

"Saímos da invisibilidade, para mostrar à sociedade alagoana as nossas práticas e modalidades desportivas e culturais com a demostração de 10 delas, celebradas entre as nações Indígenas de Alagoas. Devemos reunir, resgatar e celebrar com os irmãos não indígenas uma cultura de paz e bem viver, seguindo os rastros dos nossos ancestrais, reafirmando a dignidade dos nossos índios através das práticas e modalidades tradicionais com nossas pinturas, danças, cânticos, produção e apresentação das artes e artesanatos de cores e belezas naturais", comemorou Graciliana Selestino Wakanã, uma das coordenadoras do evento, realizado pelo governo do Estado através da Secretaria de Estado do Esporte, Lazer e Juventude (Selaj).

Ao final das competições, os índios atletas se socializaram entre si com a disputa de uma partida de futebol com times interétnicos e formado por homens e mulheres. Entre os palestrantes nos debates, o líder indígena do Mato Grosso do Sul, Marcos Terena, reafirmou a identidade indígena e mostrou a necessidade de avanços para os povos de forma ética e com diálogo e respeito entre todos, índios e sociedade.

"Carecemos melhorar nos próximos jogos e que se tornem política pública nesse Estado. Juntamente com outras indígenas como Ana Karapotó, Jaracinå Xucuru Kariri, Eleuza e Rosineide Wassu-Cocal enfrentamos o desafio com nossos caciques, que são nossas autoridades indígenas, para a realização dos jogos junto a Selaj e o governo de Renan Filho (PMDB) e esperamos que voltem a acontecer no próximo ano", acrescentou Graciliana. Uma das críticas colocadas pelos representantes indígenas foi a falta de uma maior divulgação do evento, que praticamente aconteceu sem público.

http://gazetaweb.globo.com/portal/noticia/2017/11/--povos-indigenas-com…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.