VOLTAR

Índios protestam na sede da Funasa

Diário da Amazônia - http://www.diariodaamazonia.com.br/
03 de mai de 2010

Aproximadamente setenta índios se deslocaram na manhã da última quarta-feira, da Aldeia Tubarão até a sede da Fundação Nacional de Saúde em Vilhena (Funasa) reivindicar a melhoria nas condições de saúde na aldeia. Segundo os indígenas só neste ano, nove índios morreram por falta de cuidados médicos. Eles realizaram rituais no local para evocarem ajuda espiritual para que seus pedidos sejam atendidos.

O protesto começou por volta das 11 h da manhã de quinta-feira e continuaram por todo o dia. Os índios ainda pediram ajuda à comunidade de Vilhena para doar alimentos e outras provisões, pois não haveria quase nada em sua aldeia, pois a Funasa não estaria dando o apoio necessário.

Segundo o vice-cacique da Aldeia Tubarão, Manoel Aikanã, 56 anos, há muitos anos que os índios estão solicitando uma solução e a Funasa até o momento não fez nada para resolver a situação.

A comissão indígena foi formada por tribos Aikanã, Mamaindê, Terena, Sabanê e Tawandê, que estavam reunidos na aldeia Tubarão há alguns dias, além dos protestos e rituais entregaram uma carta com suas reivindicações.

Na carta encaminhada à Fernanda Pelizza, chefe do pólo da Funasa em Vilhena, os índios pedem a construção de um muro entorno da Casa de Saúde Indígena (Casai) além da reforma interna e a instalação de um telefone, como também a contratação de enfermeiros e médicos para assistência à saúde indígena.

Outra reivindicação é a aquisição de colchões, cama hospitalar e medicamentos controlados para ajudar nos gastos que os índios têm com a saúde. Mas a maioria dos indígenas querem o conserto imediato dos veículos da Funasa para ajudar a transportar pacientes que precisem de tratamento emergenciais fora do município de Vilhena.

A Fundação Nacional de Saúde em Vilhena, ainda não se pronunciou sobre o assunto.

http://www.diariodaamazonia.com.br/diariodaamazonia/index2.php?sec=News…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.