VOLTAR

Índios de Altamira farão protesto contra represas

Diário do Pará
13 de mai de 2008

Algumas tribos indígenas da Amazônia brasileira realizarão um protesto, entre os dias 19 e 23 de maio, em Altamira, no Pará, contra o projeto de construção de várias represas hidroelétricas no rio Xingu.

A organização de defesa dos povos indígenas Survival informou hoje, em Londres, que mais de mil de índios de tribos como a Caiapó e a Ikpeng, assim como a população ribeirinha e pequenos agricultores, anunciaram que participarão do protesto.

Os índios caiapós argumentam que a construção das represas destruirá seu modo de vida, acabará com os animais e os peixes necessários para sua subsistência e pode causar problemas de saúde.

Em 1989, também em Altamira, os caiapós, junto com outras tribos, conseguiram impedir um plano do Governo de construir seis represas hidroelétricas no rio.

Na ocasião, os protestos contaram com a presença do músico britânico Sting e da fundadora da rede de produtos naturais de higiene Body Shop, Anita Roddick.

Devido a essas manifestações, o Banco Mundial cancelou uma linha de crédito destinada às obras, e o projeto ficou parado por mais de uma década.

Nos últimos anos, o Governo brasileiro voltou a defender a construção de represas nos rios da floresta amazônica.

Assim como no Xingu, são planejadas construções na região de Belo Monte, no que poderia ser a maior represa do mundo, com mais de 11.181 megawatts de potência instalada.

Existem projetos de mais de 70 grandes represas em toda a bacia amazônica, que seriam implementadas até 2030. Em Mato Grosso, a tribo Enawené-Nawê também faz oposição a projetos de construção de várias represas hidroelétricas no rio Juruena.

A tribo, que conta com 420 membros, também afirma que o impacto ambiental da construção iria prejudicar atividades essenciais à sua subsistência.

Segundo o diretor da Survival, Stephen Corry, "as grandes represas como as que são projetadas para o Xingu estão desacreditadas pelos seus efeitos desastrosos sobre a população local e o meio ambiente".

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.