VOLTAR

Indígenas são a favor da ferrovia, mas pedem distância dos trilhos das tribos

RD News rdnews.com.br
Autor: Airton Marques
17 de jan de 2018

Durante reunião ampliada para debater a instauração da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), representantes da Associação Terra Indígena do Xingu - em nome de 16 etnias - negaram ser contrários à implantação do modal, mas ressaltam que a obra precisa considerar as tradições das populações indígenas, bem como o impacto ambiental.

Fomentado por vereadores da região norte do Estado, o debate em prol da ferrovia foi realizado nessa terça (16) na Assembleia. Além de deputados estaduais, o federal Victório Galli, prefeitos e representantes de defesa da Fico expuseram, principalmente, a necessidade de organizar uma audiência pública em Lucas do Rio Verde, para debater o assunto na região interessada. Com foco no escoamento de produção agrícola, por meio da ferrovia, o novo debate deve ser realizado na segunda quinzena de março.

Integrando os trilhos de um projeto maior chamado de Ferrovia Transcontinental - ou Bioceânica -, a Fico está projetada com cerca de 1,6 mil km. O traçado sai de Vilhena (RO) e chega até Uruguaçu (GO), sendo que a maior parte desse trecho (1,5 mil km) fica dentro de Mato Grosso.

De acordo com Ayato Kuikuro e Kanato Yawalapiti, a população indígena não é contrária à construção da ferrovia, desde que sejam respeitadas as tradições dos povos representados, bem como o meio ambiente.

"Não viemos aqui para impedir (o projeto), mas queremos que respeitem lugares sagrados", declarou Ayato. O representante exemplificou que nenhum deles "abre uma estrada no meio da fazenda" de produtores rurais e solicitou que a ferrovia passasse distante da reserva.

Kanato avaliou que o empreendimento atrairá novos brancos, que interferirão na cultura deles e, por esse motivo, ressaltou o pedido de que o trajeto da ferrovia seja distante da terra indígenas. "Somos guardiões do parque e sobrevivemos com recursos naturais. A gente não é contra o projeto, mas tem que ter um diálogo construtivo."

Apoio

Os deputados estaduais que ocuparam a tribuna foram unânimes em defender a implantação da Fico, pela ótica do progresso e do desenvolvimento. Mauro Savi (PSB) garantiu que "agora, o progresso tem que acontecer", Nininho (PSD) viu a ferrovia como "logística para desenvolver Mato Grosso", Zé Domingos Fraga (PSD) vislumbrou necessário "engajamento político" e até sugeriu a criação de uma frente parlamentar, entre outras ações a serem desenvolvidas pelo Legislativo.

O deputado federal Victório Galli se comprometeu a defender a causa junto à bancada mato-grossense na Câmara dos Deputados e o senador Wellington Fagundes manifestou apoio e o mesmo contato junto aos senadores por Mato Grosso, nesse caso, por áudio enviado por telefone.

O prefeito de Lucas de Rio Verde, Luiz Binotti, falou em nome dos demais prefeitos presentes e narrou o projeto como um sonho que está saindo do papel depois de anos. "Existe um projeto e que bom que agora estamos retomando".

O secretário municipal de Cultura, Esporte e Turismo de Cuiabá, Francisco Vuolo, que desempenha na Capital a coordenação do Fórum Pró-Ferrovia, trouxe dados técnicos do andamento do projeto da Fico e acentuou que "o caminho certo (para a implantação) é buscar a vontade política" e que, mais que de uma ferrovia, "Mato Grosso precisa de uma malha ferroviária".

http://www.rdnews.com.br/legislativo/conteudos/94815

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.