VOLTAR

Indígenas famosos por sua saúde cardíaca começaram a ganhar peso após usarem óleo de cozinha

Gizmodo Brasil UOL - https://gizmodo.uol.com.br
Autor: Ed Cara
18 de set de 2019

Um grupo de povos indígenas da Bolívia é famoso por seus corações saudáveis, mas um novo estudo mostra que eles estão experimentando taxas mais altas de obesidade após a introdução de óleos de cozinha processados em sua dieta.

Os Tsimané são um grupo indígena sediado na Bolívia. Como várias outras comunidades do mundo, os Tsimané se sustentam principalmente através do cultivo de pequenas culturas, além da busca por alimento e caça. Esse método extremamente raro de sobrevivência os tornou uma área de grande interesse para cientistas, de antropólogos a biólogos.

Entre as fascinantes descobertas feitas sobre os Tsimané e grupos semelhantes, está o coração. Embora tenham maior probabilidade de morrer jovens, geralmente devido a doenças infecciosas, eles quase nunca desenvolvem doenças cardíacas. E comparado a todos os outros grupos de pessoas que vivem no mundo industrializado, seu sistema cardiovascular é primitivo. O que torna essa comparação ainda mais surpreendente é que o nível médio de atividade física não é muito superior ao do americano médio, e eles inclusive ingerem mais calorias diárias.

No entanto, como muitas sociedades de forrageamento no passado, os Tsimané estão cada vez mais entrando em contato com o resto do mundo. Parte dessa exposição é forçada, pois as empresas de mineração e madeireiras violaram ilegalmente seus direitos à terra, devastaram seu meio ambiente e os pressionaram a se aproximarem das cidades e assentamentos urbanos. Mas a população em geral também está crescendo, reduzindo seus recursos. Como resultado, os Tsimané estão começando a aceitar empregos para ganhar salários e enviar seus filhos para a escola.

Em um artigo publicado em junho na Obesity, pesquisadores que estudam o Tsimané dizem que essa mudança já está começando a mudar de corpo. Eles analisaram dados coletados durante oito anos sobre adultos Tsimané com mais de 20 anos, datados de 2002, quando o Projeto de História da Saúde e Vida Tsimane começou. Esses dados não apenas incluíram medições de sua saúde cardíaca e índice de massa corporal, mas também diários de seus hábitos alimentares; No total, mais de 300 Tsimané foram incluídos no estudo.

Em 2002, eles descobriram que 22,6% das mulheres Tsimané eram consideradas com sobrepeso (um IMC entre 25 e 30), enquanto 2,4% eram obesas (um IMC acima de 30). Mas em 2010, 28,8% estavam acima do peso e 8,9% estavam obesos. Os homens de Tsimané, que normalmente são mais ativos que as mulheres, experimentaram aumentos semelhantes, porém menores, no IMC.

Essas taxas ainda estão muito abaixo das observadas em outros grupos de pessoas. Nos EUA, por exemplo, mais de dois terços dos adultos estão acima do peso e quase metade são obesos. E até 2015, segundo um estudo de 2017, os Tsimané ainda apresentavam taxas muito baixas de doenças cardiovasculares.

Mas algumas das descobertas atuais sugerem que a saúde do coração desses povos provavelmente está piorando e isso não é um bom sinal para as pessoas que moram em outras partes do mundo. Embora a ingestão média de calorias não tenha mudado muito, o aumento do uso de óleo de cozinha estava associado a um IMC mais alto entre as mulheres Tsimané. Em 2010, quase um terço das famílias relatou usar óleo de cozinha comprado em lojas, e era o único alimento claramente ligado ao aumento do IMC, mesmo quando outros alimentos como açúcar ou grãos refinados também eram mais consumidos.

"Descobrimos que mesmo pequenos aumentos em alimentos industrializados, que são ricos em calorias, mesmo em pequenas porções, contribuíram para o ganho de gordura nessa população ativa e baseada na subsistência", afirmou o autor do estudo, Alan Schultz, antropólogo da Baylor University em um comunicado divulgado pela universidade. "O óleo de cozinha acrescenta muito sabor - usamos por uma razão - mas com 120 calorias e 14 gramas de gordura por colher de sopa, poucos alimentos podem alterar com tanta facilidade sua dieta".

A dieta não é a única coisa prestes a mudar drasticamente para os Tsimané nos próximos anos. E certamente alguns aspectos da modernização, como mais assistência médica disponível para crianças, os beneficiarão. Mas, dado que as pesquisas sugerem cada vez mais que dietas ricas em alimentos processados prejudicam nosso corpo, a renomada saúde do coração do Tsimané pode estar em risco.

https://gizmodo.uol.com.br/indigenas-ganhar-peso-oleo-cozinha/

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.