VOLTAR

Indígenas com mais de 60 anos tiram RG pela primeira vez em MS

G1 g1.globo.com
01 de jun de 2017

Indígenas com mais de 60 anos estão tirando o documento de identidade, em Mato Grosso do Sul, pela primeira vez. Em Ponta Porã, um mutirão de cidadania está sendo realizado pra tirar estes e outros índios da situação de sub-registro.

O indígena Valdomiro Velasques vai tirar o RG pela primeira vez aos 65 anos. "Porque eu sei que sem documento é só animal, né?" afirma Velasques.
Velasques faz parte dos 500 indígenas selecionados para o mutirão do Comitê Estadual para Erradicação do Sub-Registro Civil (Cesrad). São atendidas comunidades de Japorã, Coronel Sapucaia, Aral Moreira e Amambai.

"A documentação é essencial para que eles exerçam a cidadania, que possam exercer os seus direitos e ter acesso a diversos programas sociais e aí a sua situação como cidadão está regulamentada, regularizada e definida," explica o defensor público Marcelo Marino da Silva.

A prioridade desse mutirão é atender quem precisa do RG para poder retirar a Carteira de Trabalho. Um primeiro passo para novas oportunidades.
"Até então a gente não existe. Então a documentação vem trazer aí esse benefício pra gente. Mostrar que os índios estão aí para acompanhar a sociedade. Isso é uma maneira da juventude seguir na carreira estudantil como na procura de emprego também," conta o professor indígena Ismael Morel.

O indígena Cide Velasquez é líder da aldeia Taquapiri, em Coronel Sapucaia, para onde foram destinadas 100 emissões. Mas, ele explica que muita gente ficou de fora.

"Na minha aldeia tem mais de 400 indígenas que tem registro preparado no mutirão e agora está sem identidade. Então tem 100 pessoas aqui da aldeia Taquapiri e tá faltando mais de 300 pessoas, tá parado esperando também uma oportunidade," fala.

O desafio ainda é grande. Só em Amambai tem 8 mil indígenas. A estimativa da Defensoria Pública é que metade não tenha o RG.

http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/indigenas-com-mais-de-60…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.