VOLTAR

IEF lança mais um exemplar da revista "MG-BIOTA"

IEF - www.ief.mg.gov.br
11 de nov de 2009

O mais novo número da revista "MG-BIOTA" já se encontra disponível para consulta. A publicação de cunho científico é elaborada pelo Instituto estadual de Florestas (IEF), por meio da Diretoria de Biodiversidade (DBIO). Nesta edição, o boletim se debruça sobre o tema "Pandeiros, o Pantanal Mineiro".

A Área de Proteção Ambiental (APA) do rio Pandeiros é considerada a maior unidade de conservação de uso sustentável do Estado de Minas Gerais, com 210 mil hectares, e por isso recebe toda a atenção do boletim que tem publicação bimestral. Em seu primeiro artigo, toda a diversidade de paisagens naturais, sua importância para a preservação e desenvolvimento da área do médio São Francisco são exploradas.

O periódico conta ainda com um artigo esmiuçando a composição da flora ciliar local, resultando em um levantamento e uma análise das diferentes manifestações florísticas da região. Ainda relacionado ao entorno do rio, outro artigo trata da taxa regenerativa da vegetação que acompanha suas margens, na tentativa de se prever a composição futura da comunidade arbórea local. Para encerrar, há uma análise sobre o desenvolvimento e a sobrevivência de plântulas na bacia do Pandeiros.

A MG-BIOTA é publicada bimestralmente e tem como objetivo divulgar o conhecimento acerca da biodiversidade mineira. Em números anteriores, o periódico abordou os anfíbios da Serra do Brigadeiro; Ecologia, ocupação humana e conservação do Parque Estadual da Mata Seca; Uso do minhocoçu e as plantas medicinais da Estrada Real, do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e da situação das aves de rapina encontradas no Parque Estadual do Rio Doce. O último número trouxe informações sobre os mamíferos do Parque do Itacolomi e sobre o Muriqui-do-norte, mamífero que vive no entorno do Parque Estadual do Ibitipoca. È possível visualizar os números anteriores no site do IEF.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.