VOLTAR

ICMBio faz parceria com produtora de sucos do Amazonas

ICMBio - www.icmbio.gov.br
15 de set de 2008

A parceria entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) com empresas privadas poderá ser uma saída para a solução de problemas cruciais na Amazônia, com a garantia de sobrevivência das populações tradicionais e a sustentabilidade da região. Um passo importante está sendo dado com a empresa Mona Vie, que produz sucos para exportação.

A Mona Vie foi criada recentemente por um grupo investidor norte-americano e sua primeira investida é no mercado brasileiro, onde está se fixando para produzir um mix com 19 frutíferas, onde se destaca o açaí e o cupuaçu, frutas típicas da região amazônica. Para se instalar no país, a Mona Vie buscou o Instituto Chico Mendes para, em parceria com as populações tradicionais da Amazônia, fazer a extração e beneficiamento dos frutos.

A primeira parceria foi oficializada com a Cooperativa dos Produtores Agroextrativistas do Rio Cajari- Cooperca, criada pelos moradores na Reserva Extrativista (Resex) do Rio Cajari, no Amapá, com apoio do ICMBio. Inicialmente, 70 famílias vão participar do projeto, colhendo e processando os frutos do açaí e do cupuaçu para abastecer a empresa norte-americana. A Resex do Rio Cajari tem uma população de 1.800 família e o objetivo é ir incorporando novos fornecedores à medida em que a demanda for crescendo. Outras Reservas Extrativistas também estão nos planos de expansão da parceria, como explica Lúcia Lopes, da Diretoria de Unidades de Conservação de Uso Sustentável e Populações Tradicionais (Diusp), coordenadora do projeto.

A idéia não é vender apenas o suco, mas casar essa operação com a venda de artesanato produzido pelas populações das Resex, a partir da extração sustentada da floresta.

A parceria, segundo Lúcia, tem essa finalidade de proporcionar renda e sustentabilidade, garantindo a preservação dos recursos naturais e a intocabilidade da floresta.

O suco produzido pela empresa Mona Vie é vendido em garrafas de 700 ml, nos mesmos moldes do processo da vendas da Natura, ou seja, não se encontra o produto em supermercados ou lojas especializadas. O suco é vendido de porta em porta, por meio do sistema de vendas diretas, que proporcionam aos seus distribuidores independentes uma arrojada oportunidade de negócios. Como garante Maurício Patrocínio, diretor-geral da Mona Vie, não existe interesse por parte da empresa norte-americana de adquirir terras ou produzir a fruta em território brasileiro. "Queremos dar oportunidade ao morador local de ter sua renda, nos fornecendo o produto que ele próprio extrai da floresta", acrescenta.

Segundo ele, o objetivo da Mona Vie, que começou nos Estados Unidos e vem agora para o Brasil, é expandir sua atuação para outros países como o Japão, Austrália, Canadá, Porto Rico e países da Europa. O suco da Mona Vie é formado, além do açaí e do cupuaçu, pela pêra, uva vermelha, acerola, romã, cranberry e blueberries, entre outros.

Na reunião realizada na Diusp, em Brasília, para formalizar a parceria estiveram presentes Irmael Pinto Frazão, presidente da Cooperativa do Rio Cajari, com os dirigentes Francisco Edenburgo e Vandir Cruz; Maurício Patrocínio e Fernanda Stefani, da Mona Vie; Lúcia Lopes e Alexandre Cordeiro, da Diusp, e Sebastião Ednaldo G. Rodrigues, da Ditec/Ibama Amapá.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.