VOLTAR

Governo do Amazonas revisará lei que libera peixes exóticos no estado

((o))eco - http://www.oeco.org.br/
02 de jun de 2016

O governo do Amazonas revisará a lei que libera a introdução de peixes exóticos nos rios do estado. Após uma enxurrada de críticas de órgãos e instituições ligados ao meio ambiente, incluindo o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério Público Federal, o governador José Melo (PROS) anunciou que encaminhará à Assembleia Legislativa uma mudança na lei.

A Lei no 4.330/2016, sancionada nesta segunda-feira 30 de maio, disciplina a atividade de aquicultura no estado. O governador proporá mudanças em dos seus 4 artigos, justamente aqueles que permitem a introdução de peixes exóticos e prevêem o barramento de iguarapés para a criação desses peixes. A proposta de alteração será enviada na sexta-feira (3) ao legislativo, que terá três dias para analisar a proposta.

Em nota, o Governo do Estado afirmou que o cultivo de peixes não-nativos só será permitido "por meio de canal de derivação, observando o volume de água no local especificado e as espécies nativas da região que serão cultivadas, conforme regulamentação posterior".

"O Governo do Estado defende iniciativas voltadas à manutenção da biodiversidade de peixes amazônicos e incentiva o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis para o fortalecimento da piscicultura com espécies nativas em áreas antropizadas, objeto da nova Matriz Econômica Ambiental do Estado, atualmente em processo de construção. Reitera, ainda, que está sempre aberto a discussões mais amplas com a sociedade com o intuito de ouvir as demandas e sugestões para o fortalecimento da agenda ambiental", diz o comunicado.

http://www.oeco.org.br/noticias/governo-do-amazonas-revisara-lei-que-li…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.