VOLTAR

Funai e MPF querem punir missionário suspeito de evangelizar indígenas no AM

JM Notícia https://www.jmnoticia.com.br/
Autor: Heleno Farias
30 de jan de 2019

O missionário norte-americano Steve Campbell é alvo de uma investigação da Fundação Nacional do Índio (Funai) e do Ministério Público Federal no Amazonas (MPF), por suspeita de entrar em uma terra indígena no interior do Estado sem autorização.

Segundo a Funai, Campbell ingressou na terra Jarawara/Jamamadi/Kanamati, que fica nas proximidades de Lábrea, município a 701 Km de distância de Manaus. No entanto, o órgão considera mais grave a possível entrada dele na terra Hi-Merimã, que tem indígenas que vivem isolados.

"Trata-se, primeiro, de uma violação simbólica dos direitos desses povos indígenas isolados: a invasão do espaço de ocupação intensa e do qual dependem para sua sobrevivência", aponta a nota divulgada pela Funai.

O órgão afirma que o norte-americano chegou a acessar um acampamento recente dos Hi-Merimã, povo que se movimenta no interior do território por motivos variados, como acesso aos recursos naturais, que passam por mudanças ao longo do ano. "Não podemos descartar a hipótese de que o missionário tenha feito contato com aquele povo. Caso isso tenha acontecido, os efeitos deletérios são incalculáveis", afirma o comunicado enviado à imprensa.

Na nota, a Funai explica que o contato com os Hi-Merimã pode resultar em morte para eles, que não têm conhecimento de doenças do universo não-indígenas. Ainda que o contato direto não tenha ocorrido, a Funai afirma que a probabilidade de transmissão de doenças entre os Hi-Merimã é grande. "Não se pode dizer que nenhum dos integrantes está a salvo do risco de contaminação, o missionário colocou em risco a vida de um povo indígena isolado inteiro", acrescenta o comunicado.

https://www.jmnoticia.com.br/2019/01/30/funai-e-mpf-querem-punir-missio…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.