VOLTAR

Estudo revela por que tilápia é tão adaptável

OESP, Metrópole, p. A23
04 de set de 2014

Estudo revela por que tilápia é tão adaptável
Alta adaptabilidade preocupa cientistas: Câmara aprovou projeto que libera cultivo de espécies exóticas em represas

Fábio de Castro - O Estado de S. Paulo

O sequenciamento genético de cinco peixes africanos - incluindo a Tilápia do Nilo - revelou os mecanismos genômicos que estão por trás da incrível capacidade de adaptação desses animais aos mais variados tipos de ambientes. O trabalho, realizado por uma equipe de mais de 70 cientistas sob liderança do Broad Institute do MIT e Harvard, foi publicado na edição de hoje da revista Nature.
A alta capacidade adaptativa da tilápia é neste momento uma grande preocupação da comunidade científica brasileira: a Câmara dos Deputados acaba de aprovar e enviar ao Senado o Projeto de Lei 5989/09, que libera a criação de espécies exóticas - como a tilápia - nos reservatórios de represas brasileiras.
Segundo o artigo da Nature, peixes como a tilápia são verdadeiros "mutantes naturais", por isso conseguiram se diversificar amplamente em um tempo relativamente curto nos rios e lagos africanos. A comparação dos genomas das cinco espécies da família Cichlidae mostrou uma surpreendente gama de modificações genéticas. "Não detectamos apenas uma grande mudança genética, mas inúmeros mecanismos moleculares que a natureza usou para levar esses peixes a um incrível grau de adaptação", disse Federica Di Palma, uma das autoras.
Segundo Mário Orsi, do Laboratório de Ecologia de Peixes e Invasões Biológicas da Universidade Estadual de Londrina, o estudo reforça os argumentos da comunidade científica contra o projeto de lei. "Caso o Senado aprove o projeto, teremos uma verdadeira tragédia ecológica. A tilápia tem capacidade para se adaptar nos mais variados ambientes, mesmo em águas extremamente degradadas", afirmou. De acordo com Orsi, embora já seja encontrada em diversos biomas, a tilápia não se estabeleceu completamente no Brasil. "A tilápia é extremamente agressiva e domina os ambientes onde se estabelece", disse. De acordo com o cientista, o projeto libera o cultivo de peixes exóticos em tanques-rede. "A tilápia deveria ser cultivada apenas em tanques escavados. Nos tanques-rede é praticamente impossível impedir que os peixes escapem e se espalhem pelos biomas."
Invasoras. Espécies invasoras, ou exóticas, são aquelas que se proliferam sem controle e passam a representar ameaça para espécies nativas e para o equilíbrio de ecossistemas. De acordo com Michele Dechoum, bióloga do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, o Brasil tem hoje mais de 700 espécies invasoras de plantas, peixes e animais vertebrados e invertebrados.

Três perguntas para...

Cláudio Oliveira, professor do Departamento de Morfologia do Instituto de Biociências da Unesp, em Botucatu

1.O que o estudo da Nature revela em relação a tilápia como espécie invasora?

O estudo começa a identificar os genes que podem explicar como essa família de peixes evoluiu de forma tão rápida nos lagos africanos. É muito conhecida essa característica da tilápia, que potencialmente pode invadir qualquer habitat - até mesmo o ambiente marinho. Por essa adaptabilidade, a tilápia está presente em quase todos os estados do Brasil.

2.Qual sua opinião sobre o projeto de lei aprovado recentemente pela Câmara dos Deputados?

É muito perigoso, porque qualquer espécie exótica quando introduzida em ambiente propicio se propaga muito rapidamente, competindo com as espécies locais, muitas vezes levando-as à extinção. As espécies locais que poderiam ser aproveitadas, acabam sendo reduzidas pela competição desleal das espécies exóticas.

3.O cultivo em tanques rede não resolve o problema?

Uma parte dos peixes sempre vai escapar para o ambiente e dominará tudo de forma completamente irreversível.

OESP, 04/09/2014, Metrópole, p. A23

http://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,estudo-revela-por…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.