VOLTAR

Empresa limita pagamento e indígenas bloqueiam agência bancária

Correio do Estado- http://www.correiodoestado.com.br
Autor: Glaucea Vaccari
11 de mar de 2016

Um grupo com cerca de 40 indígenas da etnia guarani-kaiowá bloqueou acesso de clientes a uma agência do Banco Brasil por não receberem pagamento pelos serviços prestados em Amambai, distante 342 km de Campo Grande.

De acordo com o site A Gazeta News, os indígenas são de várias aldeias do município e trabalharam por dois meses na colheita de maçã no Rio Grande do Sul. Hoje, quando foram receber pelo serviço, foram surpreendidos pelo limite de pagamento imposto pelo banco, que era de apenas 10 trabalhadores por dia.

Segundo informações da Gazeta, o limite de dez pagamentos foi um acordo entre a empresa contratante do Rio Grande do Sul, Razip, e o Ministério Público Federal (MPF).

Lideranças disseram que devido a casos de extorsão quando o pagamento era feito em cheques, ficou acordado que o pagamento passaria a ser feito pelo Banco do Brasil por meio de ordem de pagamento.

Por conta da grande quantidade de pessoas para receber e a limitação em relação aos valores pagos, já que cada indígena recebe aproximadamente R$ 2,5 mil, o MPF e a empresa optaram por limitar o pagamento a 10 trabalhados por dia, tendo em vista que o pagamento de todos daria mais de R$ 120 mil, valor considerado elevado pelo porte da agência.

A informação teria sido repassada com antecedência aos indígenas. Porém, depois do pagamento dos dez primeiros e da informação de que o restante seria pago na próxima semana, o grupo que aguardava na fila iniciou manifesto e bloqueou a entrada da agência.

Equipes da Polícia Militar (PM) foram ao local para evitar tumulto. A Superintendência do Banco do Brasil em Mato Grosso do Sul informou que atenderia os indígenas que estavam na fila. Não há informações se todos foram atendidos.

http://www.correiodoestado.com.br/cidades/indigenas-bloqueiam-banco-por…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.