VOLTAR

Doação de peles a ritual indígena Bororo evita a caça de onças pintadas

Ibama/MT
11 de abr de 2007

A Superintendência do Ibama no Mato Grosso doou peles apreendidas pelas Gerências Executivas de Sinop e Barra do Garças para a Fundação Nacional do Índio (Funai) visando permitir a continuidade de um dos mais importantes rituais da comunidade Bororo (etnia Boe), da Aldeia Córrego Grande, na Terra Indígena Tereza Cristina, município de Santo Antonio do Leverger/MT. A liberação das peles para o ritual da cultura Bororo evitou a caça de onças pintadas (Pantera onca).

Neste último final de semana, de 6 a 8 de abril, as peles já foram utilizadas no funeral do Chefe de Tradição José Upe (cágado, espécie de quelônio), falecido em 18 de janeiro passado. Durante o funeral ocorre uma seqüência de eventos como entoação de cantos, danças, refeição, desenterro e limpeza dos ossos que são pintados e emplumados, além da destruição dos pertences do morto, auto-flagelação, depósito dos restos mortais em urna funerária (Bakité) e a iniciação de jovens bororos.

Além do superintendente do Ibama/MT, acompanhou também o funeral o chefe do Centro de Estudo, Proteção e Manejo de Cavernas (Cecav) no Mato Grosso e que desenvolve estudos em etnoespeleologia. No final do ano passado, a Funai formalizou junto ao Ibama o pedido de doação de peles de animais, principalmente peles de onça que são utilizadas para realizar o ritual de vingança do morto, durante os funerais Bororo.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.