VOLTAR

Curso debate Monitoramento de Biodiversidade em Unidades de Conservação Marinhas

ICMBio - www.icmbio.gov.br
22 de jul de 2008

Estudantes de graduação ou pós-graduação em biologia, oceanografia, ecologia; bem como técnicos e gestores de Unidades de Conservação Marinhas podem participar do curso Monitoramento de Biodiversidade em Unidades de Conservação Marinhas: teoria, delineamento e prática, promovido, de 26 a 30 de julho, em São Paulo. Ao todo são oferecidas 20 vagas. A coordenação é da Fundação SOS Mata Atlântica e Conservação Internacional.

O objetivo é fornecer conhecimentos teóricos e práticos atualizados sobre o delineamento e técnicas de monitoramento biológico em Unidades de Conservação Marinhas, visando capacitar estes profissionais para o desenvolvimento de atividades desta natureza.

O curso será realizado nas dependências da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no Campus Experimental do Litoral Paulista, localizado na Praça Infante Dom Henrique s/no, Parque Bitarú, São Vicente - SP. Será utilizada a infra-estrutura de estacionamento, salas de aula, projetor multimídia e laboratório de informática.

Para participar integralmente da atividade de campo, os alunos terão que obrigatoriamente apresentar os certificados de conclusão do curso básico de mergulho autônomo. Os alunos que não possuírem a certificação exigida poderão participar da viagem ao Parque Estadual Marinho da Laje de Santos-SP e, dependendo das condições do mar, observar os procedimentos da superfície, através de mergulho em apnéia.

As inscrições poderão ser feitas mediante a comprovação de depósito bancário no valor de R$ 250,00 (duzentos e cinqüenta reais) e preenchimento da ficha de inscrição. Informações com Fábio dos Santos Motta, coordenador do curso, pelo e-mail: costa@sosma.org.br ou telefone (11) 3055-7888.

Ementa e Cronograma do curso:

Sábado dia 26/07/2008

Manhã (8:00 - 12:00h)

- Áreas Marinhas Protegidas como instrumento para conservação da biodiversidade, gestão pesqueira e incremento do ecoturismo.
- O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e o contexto das Unidades de Conservação Marinhas no Brasil e no Estado de São Paulo.

Tarde (14:00 –- 18:00h)
- Aspectos da taxonomia e ecologia de peixes associados a substrato consolidados.
- O uso de equipamento SCUBA no estudo da fauna marinha

Domingo dia 27/07/2008

Manhã (8:00 - 12:00h)

- Técnicas de censo visual de peixes: Acurácia, precisão e análise de custo.
- Estimativas de densidade, biomassa, riqueza, diversidade e dominância.

Tarde (14:00 - 18:00h)

- Métodos para caracterização quantitativa da cobertura e complexidade do hábitat.
Logística para o trabalho de campo em atividades cientificas subaquáticas

Segunda-feira dia 28/07/2008

Manhã e Tarde:

Atividade de campo no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos: Desenvolvimento de projetos em equipe utilizando os protocolos de pesquisa estudados nas aulas teóricas.

Terça-feira dia 29/07/2008

Manhã (8:00 - 12:00h)

- Avaliação geral da atividade de campo, tratamento e análise inicial dos dados

Tarde (14:00 - 18:00h)

Análise final, interpretação e discussão dos resultados.

Quarta-feira dia 30/07/2008

Manhã (8:00 - 12:00h)

- Seminário com apresentação dos resultados de pesquisa dos grupos

Tarde (14:00 - 18:00h)

Estudo de caso: Histórico e Desafios Atuais da Pesquisa, Conservação e Gestão da rede de Áreas Marinhas Protegidas no Banco dos Abrolhos, Bahia.

Contexto- A costa do Brasil, uma das maiores do mundo (cerca de 7500 km), é constituída por uma variedade de ambientes marinhos e costeiros em grande parte margeados por remanescentes de Mata Atlântica, um dos hotspots” mais ameaçados do planeta.

A costa de São Paulo, ao longo dos seus 700 km de extensão, abrange uma ampla diversidade de ecossistemas, incluindo estuários, manguezais, restingas, cavernas, rios, costões rochosos, praias arenosas e cerca de 141 ilhas, ilhotas e lajes.

Nos anos 80, a criação das Estações Ecológicas Federais (ESEC) Tupinambás e dos Tupiniquins consistiu em uma iniciativa pioneira na costa de São Paulo, ao proteger diversas ilhas com remanescentes de Mata Atlântica e seu entorno marinho em um raio de 1 km. Em 1993, foi criado o Parque Estadual Marinho da Laje de Santos, abrangendo cerca de 50 km2 de coluna d'água marinha.

A criação destas UCs representou uma alteração substancial no tipo de preocupação e estratégia de planejamento, uma vez que os parques insulares criados anteriormente, como os PEs Ilha do Cardoso (1962) e Ilha Anchieta (1977), não contemplavam a área marinha do entorno.

O Mar Territorial (Águas Jurisdicionais) em São Paulo possui cerca de 13.000 km2, sendo definido por uma faixa de 12 milhas náuticas (22,2 km) a partir da linha de costa. Atualmente, apenas 0,7% dessa área está protegida, o que se mostra muito aquém dos níveis recomendados internacionalmente, que variam entre 20 e 40 % da área sem exploração direta.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.