VOLTAR

CNMP e CNJ instituem observatório sobre questões ambientais, econômicas e sociais de alta complexidade

MPF - http://www.mpf.mp.br/
Autor: Ministerio Publico Federal
31 de jan de 2019

CNMP e CNJ instituem observatório sobre questões ambientais, econômicas e sociais de alta complexidade
31/01/2019

Assinatura do documento ocorreu nesta quinta-feira, durante reunião entre a presidente do CNMP, Raquel Dodge, e o presidente do CNJ, Dias Toffoli

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituíram o Observatório Nacional sobre Questões Ambientais, Econômicas e Sociais de Alta Complexidade e Grande Impacto e Repercussão. A iniciativa foi efetivada nesta quinta-feira (31), por meio de portaria conjunta assinada entre os presidentes das instituições, Raquel Dodge e Dias Toffoli, respectivamente, em solenidade realizada no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília (DF).

O observatório, que possui caráter nacional e permanente, tem a atribuição de promover integração institucional, elaborar estudos e propor medidas concretas de aperfeiçoamento do Sistema Nacional de Justiça, nas vias extrajudicial e judicial, para enfrentar situações concretas de alta complexidade, grande impacto e elevada repercussão social, econômica e ambiental.

Segundo Raquel Dodge, quando ocorre uma tragédia humana de elevada relevância, como a do rompimento da barragem Mina do Feijão, em Brumadinho (MG), todos esperam uma resposta que tenha resolutividade e traga a reparação efetiva dos danos que as vítimas e suas famílias merecem. "O observatório vai ajudar a entender os fatos que envolvem essas situações de alta complexidade e trabalhará para que haja justiça e o devido atendimento a todos. É um espaço para discutir soluções e estimular a celeridade nas respostas às vítimas", afirmou a presidente do CNMP.

Por sua vez, Dias Toffoli destacou que o observatório terá uma gestão conjunta para o acompanhamento de grandes questões que causam drama a milhares de pessoas. "Haverá coordenação entre Poder Judiciário e Ministério Público para evitar que dificuldades técnico-jurídicas inviabilizem soluções céleres a vítimas. O objetivo é fazer justiça o mais rápido possível", disse o presidente do CNJ.

Caberá à equipe designada promover o levantamento de dados estatísticos relativos ao número, à tramitação, às sanções impostas e a outros aspectos relevantes sobre medidas extrajudiciais e judiciais de grande repercussão, além de monitorar o andamento e a solução das medidas extrajudiciais e das ações judiciais de grande impacto e repercussão, por membros do Ministério Público, juízes e tribunais.

O observatório também irá propor ações e iniciativas normativas para o aperfeiçoamento da atuação das instituições em ocorrências de grande impacto e repercussão, incluindo a implantação e modernização de rotinas, prioridades, organização, especialização e estruturação dos órgãos competentes de atuação do Poder Judiciário e do Ministério Público.

De acordo com a portaria, o grupo irá coordenar e realizar o estudo e a proposição de outras medidas para monitoramento das demandas de alta repercussão social, econômica e ambiental, e promover a cooperação judicial e institucional com tribunais, órgãos do Ministério Público e outras instituições, nacionais ou internacionais.

O observatório será composto pelos seguintes integrantes do CNMP: os conselheiros Valter Shuenquener e Luciano Nunes; a secretária-geral, Adriana Zawada; a secretária de Direitos Humanos e Defesa Coletiva, Ivana Farina; o secretário de Relações Institucionais, Nedens Ulisses Freire; o membro auxiliar da presidência Luis Marcelo Mafra; e o membro da Comissão de Defesa de Direitos Fundamentais Maurício Andreiuolo.

Os integrantes do CNJ que comporão o observatório são os conselheiros Maria Tereza Uille e Valdetário Andrade; o secretário-geral, Carlos Vieira Von Adamek; o secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica, Richard Pae Kim; e os juízes auxiliares Flávia Moreira, Márcio Luiz Coelho e Alexandre Chini.

Representando o CNMP, estiveram presentes à solenidade de assinatura da portaria Adriana Zawada, Ivana Farina, Luis Marcelo Mafra e Maurício Andreiuolo, além do vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia.

http://www.mpf.mp.br/pgr/noticias-pgr/cnmp-e-cnj-instituem-observatorio…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.