VOLTAR

Casos de malária aumentam 70 por cento na Terra Indígena Yanomami após invasão de garimpeiros

O Globo - https://oglobo.globo.com
Autor: Leandro Prazeres
04 de fev de 2020

Em 2019, pelo menos quatro indígenas da etnia, uma das mais vulneráveis do país, morreram com a doença.

BRASÍLIA - Os casos de malária na Terra Indígena Yanomami aumentaram 70% em 2019 em relação ao ano anterior, segundo dados do Ministério da Saúde. A pasta também confirmou que, no ano passado, pelo menos quatro indígenas da etnia, uma das mais vulneráveis do país, morreram em decorrência da doença. O avanço da doença na região vem sendo acompanhado pelo Ministério Público Federal (MPF).

Os yanomami vivem em uma terra indígena localizada no extremo norte do país, entre os estados do Amazonas e Roraima. A população estimada da etnia é de aproximadamente 26 mil pessoas.

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos de malária na região habitada pelos yanomami saltaram de 9.674 em 2018 para 16.613 em 2019, um crescimento de 70,55%. Os dados mostram que, pelo menos desde 2015, os casos de malária entre os yanomami vêm subindo. Naquele ano, foram registrados 4.559.

Desde os anos 1980, esse grupo indígena vem sofrendo com doenças introduzidas por não-índios, principalmente garimpeiros que invadem as terras habitadas da reserva para extrair ouro ilegalmente.

Leia aqui, na reportagem exclusiva para assinantes do GLOBO, o que dizem documentos de autoridades que prestam serviços de saúde ao grupo indígena. Eles relatam a falta de estrutura e apontam a situação como "preocupante" e "temível".

https://oglobo.globo.com/sociedade/casos-de-malaria-aumentam-70-na-terr…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.