VOLTAR

Apurinãs interditam BR-317

Portal Amazônia
02 de mai de 2008

RIO BRANCO - A estrada que liga Boca do Acre ao estado do Acre, ao Brasil e ao Pacífico está temporariamente interditada pela etnia Apurinã. O bloqueio começou no dia 30 de abril, na altura do Km 70 (sentido Boca do Acre/Rio Branco), no início da reserva indígena.

O movimento de fechamento da BR-317 já havia sido anunciado pelo chefe da Aldeia Manhê, Geraldo Apurinã no dia 21 de abril.

"Estamos reclamando por nossos direitos e também pelo direito de toda a sociedade, que busca a melhoria dessa estrada. A BR-317 é fundamental a todos, mas no estado em que ela se encontra é impossível se beneficiar dela, por isso que estamos reivindicando também, decisões firmes do governo federal para que nossa estrada seja asfaltada", disse Geraldo.

"Fizemos o bloqueio para chamar atenção do governo federal, porque a nível municipal não podemos esperar nada de proveitoso, esse governo já nos mostrou que não pode e nem faz nada por nós", completou.

Bloqueio

A situação está complicada no local do bloqueio. Todos os veículos que chegam na barreira estão sendo impedidos de retornar. As pessoas que tentam transpor o bloqueio, correm o risco de serem coagidos violentamente pelos nativos que fazem a vigília do local.

Relatos dizem que um ônibus da empresa Real Norte tentou manobrar e fugir, mas com o apoio de um taxista o veículo foi alcançado e obrigado a retornar ao local, caso contrário o outro veículo da mesma empresa seria depredado.

Segundo Geraldo Apurinã, não serão liberados carros e nem pessoas. "Enquanto a gestão a nível federal não tomar ciência e mais do que isso, não fizer algo, a situação continuará estanque e as pessoas que estão impedidas de trafegar continuarão tendo que suportar o sofrimento de ter que se abrigar dentro dos carros", disse.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.