VOLTAR

Após suspensão da FAB, quatro etnias indígenas buscam por avião desaparecido na Amazônia

G1 https://g1.globo.com/
Autor: Fabiana Figueiredo
19 de dez de 2018

Povos indígenas de quatro etnias estão realizando buscas por terra na tentativa de encontrar o avião monomotor que desapareceu com indígenas na Floresta Amazônica no dia 2 de dezembro. Após 14 dias de sobrevoo, a Força Aérea Brasileira (FAB) suspendeu as buscas pela aeronave e por vítimas.

O que se sabe sobre desaparecimento de avião com indígenas na Floresta Amazônica
A informação de que indígenas estão mobilizados na mata foi divulgada através de uma carta da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Amapá e Norte do Pará (Apoianp), assinada por líderes de regiões do Rio Parú D'Este, Tumucumaque, Oiapoque e Wajãpi.

"Os povos indígenas, principalmente Apalai, Akuriyó, Tiriyó e Waiana, já estão mobilizados e realizando buscas por via terrestre, mesmo sem apoio direto dos órgãos de governo, e informamos que só iremos paralisar a mesma quando tivermos a certeza de encontrarmos nossos parentes indígenas e o piloto com vida ou mesmo mortos, mas que possibilite aos seus familiares esse mínimo conforto", descreve o documento.

A aeronave desapareceu entre a aldeia Mataware, no Parque do Tumucumaque, no Pará, e Laranjal do Jari, no Sul do Amapá, com oito pessoas a bordo, sendo sete indígenas e o piloto, que tem mais de 40 anos de experiência em voos na região. É nessa área que os indígenas concentram as buscas.

Desaparecimento ocorreu sobre área de mata fechada, a partir da região do Tumucumaque - Foto: Divulgação/Grayton Toledo/Governo do Amapá

Na segunda-feira (17), quando foi anunciada a suspensão das buscas pela FAB, a família do piloto informou que um grupo voluntário de garimpeiros também está na mata fechada para tentar encontrar a aeronave ou vítimas.

A Apoianp e familiares das vítimas querem que a FAB e o Exército retomem as buscas. Na terça-feira (18), o Distrito Sanitário Indígena Especial (Dsei) do Amapá também se posicionou sobre o caso.

"Como tratam-se de usuários da saúde básica dos indígenas, o Dsei está ajudando com transporte necessário no deslocamento da equipe de busca indígena e de parceiros. A gente tem feito essa parceria para tirar toda essa angústia. A Dsei vai oficializar um pedido a FAB para que as buscas sejam retomadas", disse o coordenador do Dsei Amapá, Silney Aniká.

À Rede Amazônica, o Exército informou inicialmente que também cancelou as buscas, devido a falta de suporte de aeronaves para cobrir a área. Mas, em nota, a instituição detalhou que o Pelotão Especial de Fronteira de Tiriós "é empregado, numa segunda etapa, para apoiar no resgate em solo ou realizar a segurança do local", e adiantou que, sem "indícios fidedignos da localização da aeronave desaparecida, a busca por terra torna-se ineficiente". O Exército concluiu informando que "mantém uma equipe pronta para ser empregada quando os vestígios da aeronave desaparecida forem localizados".

Desaparecimento
O avião monomotor, de prefixo PT-RDZ, transportava sete pessoas de uma família de índios, além do piloto. A viagem, que partiu no domingo (2 de dezembro) e fez a última comunicação às 12h06, foi contratada pelos indígenas para fazer o trajeto entre a aldeia Matawaré e Laranjal do Jari.

A região é de difícil acesso e o transporte aéreo é a única forma de se chegar às aldeias. Em função da geografia da região, a maior parte do trajeto é feito em território paraense, pela cidade de Almeirim.

A bordo estava uma família de índios Tiriyó: professor, esposa e três filhos, uma aposentada e o seu genro; além do piloto, Jeziel Barbosa de Moura.

'Que continuem até achar minha mãe', diz filho de índia desaparecida no avião
'São 15 dias de angústia', diz filha de piloto de avião que desapareceu com índios na Amazônia
De acordo com Kutanan Waiana, da coordenação executiva da Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Amapá e Norte do Pará, a contratação de pequenos aviões para transporte entre aldeias é comum na região, com viagens que custam entre R$ 3 mil e R$ 10 mil.

No dia 4 de dezembro, a Fundação Nacional do Índio (Funai) caracterizou como "clandestino" o voo e informou que a aeronave transportava pelo menos sete indígenas. A falta de pistas autorizadas na região e a não comunicação da viagem, segundo a Funai, apontam a irregularidade. A família do piloto assegura que ele está com as documentações regulares para pilotar.

Encerra buscas
FAB anunciou suspensão após 14 dias de buscas sobrevoando a Floresta Amazônica - Foto: Força Aérea Brasileira/DivulgaçãoEm nota, a FAB informou na tarde de segunda-feira que suspendeu as buscas pelo avião. Foram realizadas 128 horas de voo com as aeronaves SC-105 Amazonas SAR, C-130 Hércules e o helicóptero H-60 Black Hawk. A busca agora está limitada a um grupo de índios e garimpeiros, por terra.

Ainda segundo a FAB, as equipes sobrevoaram uma área de 12.550 quilômetros quadrados, o equivalente a cerca de 12 mil campos de futebol. A instituição afirmou que as aeronaves cumpriram padrões internacionais de busca, mas a mata fechada e região montanhosa são fatores que dificultaram a observação pelas equipes.

Um total de 60 militares estiveram envolvidos nas buscas, que foi coordenada pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento de Manaus (Salvaero). A unidade operacional do Quarto Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV) é responsável pela coordenação das missões de busca a aeronaves e embarcações na região Norte do país.

https://g1.globo.com/ap/amapa/noticia/2018/12/19/apos-suspensao-da-fab-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.