VOLTAR

Agricultura familiar terá mais R$ 7 bi

O Globo, Economia, p. 17
28 de jun de 2004

Agricultura familiar terá mais R$ 7 bi

Os agricultores familiares e assentados da reforma agrária de todo o país terão R$ 7 bilhões do Plano Safra 2004-2005, 30% a mais do que no ano passado, quando foram investidos R$ 5,4 bilhões. O anúncio será feito hoje pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em cerimônia no Palácio do Planalto. A meta do Ministério do Desenvolvimento Agrário é atender a 1,8 milhão de famílias nos próximos 12 meses, o que representará a inclusão de 450 mil agricultores no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).
- Vamos continuar o trabalho de qualificar a utilização do crédito, permitindo uma boa assistência técnica e a orientação de organização da produção - afirmou o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto.
Segundo o ministério, a agricultura familiar é responsável por 40% de tudo que é produzido no meio rural brasileiro e responde por sete de cada dez postos de trabalho no campo. Por segmento, a participação é de 67% do feijão, 58% dos suínos, 54% da bovinocultura de leite, 84% da mandioca, 52% do leite, 49% do milho e 40% das aves e ovos. O faturamento do setor é de cerca de R$ 60 bilhões ao ano, conforme estimativas do Valor Bruto da Produção Agropecuária nacional.
- O desenvolvimento no Brasil passa pelo apoio à agricultura familiar e o avanço na reforma agrária - disse Rossetto.
De acordo com o governo, o último Plano Safra liberou mais crédito para as regiões do país onde os agricultores tinham pouco acesso ao Pronaf. O número de famílias contempladas cresceu 97% no Nordeste e 199% no Norte, onde, afirma o ministério, os volumes de recursos aplicados triplicaram. No Sudeste e no Centro-Oeste o número de contratos e de investimentos dobrou. (Valderez Caetano)

O Globo, 28/06/2004, Economia, p. 17

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.