VOLTAR

Abandono na saúde leva índios do Oiapoque a fazerem reféns funcionários da Funasa

Folha do Amapá
04 de jul de 2006

Lideranças indígenas das etnias Galibi, Palikur, Galbi-Marworno e Karipuna, localizadas no município de Oiapoque, estão mantendo reféns oito funcionários da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), desde o último dia 2, na aldeia do Manga, em decorrência da precária condição da saúde indígena vivenciada no Estado. De acordo com o índio Kleber Santos, presidente da Associação dos Povos Indígenas do Oiapoque (Apio), eles já estão cansados de promessas não cumpridas feitas pela Funasa, por isso só pretendem liberar os funcionários, entre eles o chefe do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei), Jackson Barbosa, e a diretora da Casa do Índio (Casai) de Macapá, Ana Quaresma, quando as promessas forem cumpridas realmente, como:

- Imediata assinatura, publicação e liberação dos recursos previstos para execução do convênio entre a Fundação e a Associação dos Povos Indígenas do Tumucumaque (Apitu);

- Pagamento de pessoal e dívidas com o Conselho das Aldeias Wajãpi;

- Imediata substituição de Jackson Barbosa, chefe do Dsei, e imediata substituição também do coordenador regional da Funasa, Abelardo Júnior.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.