VOLTAR

1/3 da vegetação nativa do Brasil está em áreas pobres

Estadão - https://sustentabilidade.estadao.com.br/
Autor: Júlia Marques
08 de nov de 2018

1/3 da vegetação nativa do Brasil está em áreas pobres
08 Novembro 2018 | 12h00

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

Dado faz parte de diagnóstico da biodiversidade apresentado nesta quinta-feira por cientistas brasileiros; relatório procura dar subsídio à tomada de decisões

Um terço da cobertura vegetal nativa do Brasil está concentrada em áreas pobres, que deveriam ser consideradas prioritárias para receber ações de proteção da natureza. Esse e outros dados fazem parte de um diagnóstico sobre a biodiversidade do País, apresentado nesta quinta-feira, 8, por cientistas brasileiros. O documento reúne informações para dar subsídio à tomada de decisão de gestores nessa área.

O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade do mundo, mas enfrenta desafios. "A situação se agravou nos últimos dez anos. Os principais causadores dessa perda ainda são a mudança do uso da terra, que leva à degradação ambiental, e, mais recentemente, as mudanças climáticas", explica Carlos Joly, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES), responsável pelo documento.

Nesta quinta-feira, uma versão resumida do 1o Diagnóstico Brasileiro de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos foi apresentada no Museu do Amanhã, no Rio. O trabalho, desenvolvido por mais de cem de cientistas de diferentes áreas do conhecimento e várias partes do país, se inspira na iniciativa internacional de mapeamento do setor, o Painel Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Ecossistema, coordenado por quatro agências da Organização das Nações Unidas (ONU).

Pobreza verde
A publicação brasileira compila informações e pesquisas dos últimos dez anos sobre cobertura vegetal, culturas agrícolas, qualidade das águas, além da diversidade cultural do País. Um mapa da "pobreza verde" faz parte da publicação. Com base em um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o mapeamento mostra áreas prioritárias para receber ações de proteção da natureza em um contexto de mudanças climáticas.

São 398 municípios que reúnem três características: baixa renda, alta cobertura vegetal nativa e alta vulnerabilidade às mudanças climáticas. Segundo a pesquisa, mais de um terço (36%) da cobertura vegetal nativa do Brasil se concentra em 7% dos municípios brasileiros - e essas cidades abrigam 22% da população pobre brasileira.

Espalhadas pelos biomas da Amazônia, Cerrado e Caatinga, as localidades têm um desafio pela frente: tirar suas populações da pobreza mantendo a floresta de pé. "Como as pessoas podem sair da pobreza não às custas da natureza, mas a partir dela? Não tem receita de bolo, mas mostramos opções que talvez precisem ganhar escala", diz o professor da UFRJ Fábio Scarano, que também coordena a BPBES.

Entre os municípios prioritários, a maior parte deles está localizada na Caatinga - um dos biomas mais destruídos e que, paradoxalmente, recebe menos atenção. Fora da Amazônia, a maioria (62%) dos pontos estratégicos não tem áreas de proteção ambiental, de acordo com a pesquisa.

"A Caatinga e os Pampas são os dois biomas mas relegados do Brasil. Como têm uma vegetação arbustiva, às vezes rasteira, as pessoas não entendem aquilo como um ambiente natural, que traz biodiversidade. A Amazônia, por ser a maior floresta tropical do mundo, tem uma atenção internacional muito grande. Comparativamente, é onde a gente consegue mais recursos financeiros", explica Thaís Kasecker, autora da pesquisa destacada na publicação da BPBES.

'Pedra no sapato'
Um dos objetivos do relatório, segundo os pesquisadores, é apresentar a biodiversidade não como uma "pedra no sapato" da economia brasileira, mas como um ativo. Para isso, o estudo também reúne informações sobre oportunidades que derivam da diversidade brasileira.

De acordo com a pesquisa, mais de 245 espécies da flora do País são base de produtos cosméticos e farmacêuticos e ao menos 36 espécies botânicas nativas possuem registro de fitoterápicos. A conservação da biodiversidade tem impacto, ainda, nos cultivos. Das 141 culturas agrícolas analisadas no País, 85 dependem de polinização por animais, de acordo com o documento.

"É uma coisa sistêmica no Brasil: a biodiversidade, os recursos naturais de modo geral, são tratados como um problema, quando no fundo são a solução", diz Scarano. Para os pesquisadores, a época, pós-eleições, é propícia à discussão. "Estamos em um momento de renovação de governadores, de boa parte do Congresso Nacional, do governo federal. É a hora de buscar interlocutores, mostrar o trabalho que foi realizado e avançar", diz Joly.

Ferramenta
Em nota, o Ministério do Meio Ambiente informou que "esse esforço da comunidade científica nacional merece todo o apoio e reconhecimento do MMA e se nivela às principais iniciativas internacionais que visam a promover a conexão entre o melhor conhecimento científico disponível e as políticas de desenvolvimento".

"Esse produto será sem dúvida uma importante ferramenta técnica que nos permitirá avaliar, tomar decisões, além de acompanhar a implementação e progresso de importantes compromissos nacionais, como as Convenções sobre Mudança do Clima e sobre Biodiversidade, bem como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável", disse, ainda, a pasta.

O diagnóstico, segundo a pasta, "não foi ainda analisado pelas diversas áreas do Ministério do Meio Ambiente responsáveis por políticas e iniciativas que são nele tratadas, como biodiversidade, mudança do clima, desenvolvimento rural sustentável, recursos hídricos, áreas protegidas e licenciamento."

https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,13-da-vegetacao-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.