VOLTAR

VISÃO DE ÍNDIO: História é do homem, dos animais, dos rios e dos legumes

Kaxiana.com.br
Autor: Romerito Aquino
01 de ago de 2007

"A História não é só do ser humano. É também dos encantados, dos animais, da floresta, dos rios e dos legumes". É o que nos ensinam os professores indígenas Adalberto Kaxinawá e Joaquim Kaxinawá, das distantes aldeias do rio Jordão, município acreano de mesmo nome, bem próximo à fronteira do Brasil com o Peru, onde ainda existem até índios isolados, passando de um lado para outro da selva.

Adalberto e Joaquim são dois dos muitos professores indígenas do Acre que protagonizaram o livro "Índios no Acre- História e Organização", onde eles mostram a visão que seus povos têm de sua própria história. Uma história que percorre o tempo de suas origens, o tempo das malocas, o tempo das correrias, o tempo do cativeiro, o tempo dos direitos, passando pelo tempo da reconquista das terras, da gestão ambiental, da saúde, da educação e do tempo em que eles próprios começam a escrever agora a sua própria história.

Pela grandeza de valores e pela contribuição antropológica que o livro oferece, ao relatar visões de um mundo mais justo, natural e humano, é que a Kaxiana passa a publicar periodicamente, a partir de agora, alguns textos da inédita obra literária de autoria dos professores indígenas acreanos. Os textos dos professores das diversas nações indígenas do Acre foram elaborados durante os estudos que realizaram no Centro de Formação dos Povos da Floresta, com sede em Rio Branco (AC).

Organizado e editado pela Comissão Pró-Índio do Acre (CPI-AC), com apoio da Organização dos Professores Indígenas do Acre, o livro foi usado nas escolas indígenas do estado e representou a principal obra de apoio para a reflexão e o estudo da História Indígena, além de colaborar para a construção da proposta pedagógica do ensino indígena.

Conforme assinala a CPI-AC na apresentação do livro, já em segunda edição, os professores indígenas do Acre, juntamente com seus alunos e assessores, refletem na obra sobre o conceito de História, sua importância para os povos indígenas, os processos de pesquisa e de construção do conhecimento histórico e o atual interesse pelo registro da história, antes narrada e transmitida oralmente. Além disso, refletem sobre as várias interpretações e versões da história, o trabalho com a história em sala de aula, as relações entre a reflexão histórica e a valorização e o fortalecimento das identidades indígenas e sobre a contribuição dos povos indígenas para uma nova história regional e nacional.

Veja, abaixo, como alguns professores indígenas refletem e falam dos conceitos que têm sobre o que é História, nesta primeira parte da série que a Kaxiana denomina de "Visão de Índio".

A História é isso

História é uma relembração do tempo passado, de como os povos viviam, do que acontecia em diferentes épocas. Serve para pensar muitas vezes e verificar também o que está acontecendo no tempo em que vivemos hoje, quais as diferenças de antes, se ocorreu alguma mudança ou não.

A História é isso: lembrar o tempo passado e, hoje, pensar como é que a gente está vivendo no tempo presente.

É também imaginar o tempo futuro, o que é que vai acontecer.

(Jaime Llullu Manchineri)

"História é passado, história é presente

A história vem de um tempo longo, médio, recente. De ontem, hoje e amanhã.

História é passado, história é presente.

A historia é como o mundo, porque não tem fim.

É um caminho muito longo. Enquanto o tempo vai passando, mais história vamos construindo.

História é passado, história é presente.

A história não é só do ser humano. Também é dos encantados, dos animais, da floresta, dos rios e dos legumes.

História está em todo lugar do mundo".

(Adalberto Domingos Maru Kaxinawá e Joaquim Paulo Maná Kaxinawá)

Um tempo que queremos ver chegar

"A história é o que aconteceu, o que acontece e o que vai acontecer com uma pessoa, com uma família ou com uma nação. É o estudo das brigas que existiram entre os diferentes governos de várias nações, as mudanças de governo, a discriminação entre as nações e as classes de pessoas.

A história estuda também as populações através do tempo e dos diferentes lugares onde viveram. Explica as permanências e mudanças no modo de viver, na política e na economia de um povo.

A história de antigamente e a história de hoje são importantes para se construir o futuro, para construir um tempo que queremos ver chegar".

(Fernando Luiz Kateyuve Yawanawá e Geraldo Aiwá Apurinã)

As duas partes da história indígena

"Na primeira parte estão os mitos, as histórias de antigamente. Cada povo explica de maneira diferente como foi que nasceram o mundo e os homens, o sol e a lua, os nomes das coisas, os bichos, os legumes, as festas, os remédios da mata, o cipó e todas as ciências.

A segunda parte explica o que aconteceu em diferentes momentos da vida de cada nação indígena: as mudanças na organização, no governo e na economia, os conflitos entre famílias, as guerras com outras nações. Estuda o tempo em que nossos povos não tinham contato com os brancos. Conta como vivíamos nas malocas, como eram os nossos costumes, a nossa cultura tradicional: as festas, a medicina da mata, o artesanato, nossos vestuários e nosso governo.

Também estuda o tempo em que sofremos as primeiras correrias, o tempo em que trabalhamos para os patrões e o tempo em que asseguramos as nossas terras, conquistamos nossos direitos e passamos a viver libertos de novo".

(Edson Madeiros Ixã Kaxinawá, Fernando Luiz Kateyve Yawanawá, Geraldo Aiwá Apurinã e Isaac Pianko Ashaninka)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.