VOLTAR

Unifesp no Xingu, outros saberes possíveis

Combate Racismo Ambiental https://racismoambiental.net.br
22 de jul de 2019

O Parque do Xingu foi a primeira terra demarcada para os indígenas no Brasil, em 1961. Hoje, com o nome de Território Indígena do Xingu, tem uma área equivalente à do estado de Alagoas, onde vivem 16 etnias distintas porém muito articuladas entre si - e que resistem há décadas a constantes ameaças do agronegócio. Ainda nos anos 60, a Escola Paulista de Medicina, encabeçada pelo professor Roberto Baruzzi, começou a fazer expedições para tratar dos indígenas que ali moravam, e explorar a região. Ele foi um dos primeiros a perceber a importância de não utilizar o local apenas como fonte de pesquisa, mas que era necessário dar alguma contrapartida às aldeias.

O Projeto Xingu, hoje tocado pela Unifesp, é constituído por três áreas: assistência à saúde, pesquisa e ensino. Foi muito importante, ao longo dos últimos 50 anos, para conter doenças, aumentar a expectativa de vida e diminuir a mortalidade infantil dos indígenas. Mas, ao longo do tempo, os cientistas perceberam que para além de "levar o conhecimento", era necessário estabelecer uma troca entre as comunidades e a universidade. Antes de tudo, porque não basta levar medicamentos e transferir conhecimento - é preciso criar um vínculo com as etnias, compreender como cada uma vive, trabalha e se organiza, e qual sua relação com a doença.

Há também espaços ambulatoriais e hospitalares na Unifesp para receber os indígenas em São Paulo - onde há, inclusive, um enriquecedor diálogo entre eles e os pesquisadores e alunos. Mas não é apenas para tratar a doença que eles vêm. Há projetos que trazem lideranças indígenas para dar palestras e aprender sobre a medicina branca, formando agentes indígenas de saúde, que depois voltam para trabalhar com seus povos. O processo de saúde é construído por médicos, mas também por pajés, benzedores, rezadores, parteiras.

Defender a ciência e o conhecimento, em tempos em que a extrema direita põe em dúvida ideias básicas como as vacinas, o formato da terra e o recenseamento demográfico, não é apenas proteger a produção acadêmica, ou elegê-la como superior. É também compreender o mosaico de saberes provenientes da diversidade cultural de um país como o Brasil - e poder desenvolvê-los em conjunto. A série de vídeos Universidade Pública, Conhecimento Público celebra os 25 anos da Universidade Federal de São Paulo, mas também exalta e defende o conhecimento produzido por cientistas e pesquisadores brasileiros - pilar importante que ajuda a sustentar o país, e se empenha em transformá-lo em tempos de escuridão.

https://racismoambiental.net.br/2019/07/22/unifesp-no-xingu-outros-sabe…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.