VOLTAR

Um 'software' ecológico para o lixo urbano

O Globo, Ciencia, p. 39
31 de ago de 2007

Um 'software' ecológico para o lixo urbano
Programa auxilia reciclagem

Carlos Albuquerque

Tratar bem o lixo faz bem à saúde do planeta. O homem produz, em média, 5 quilos de lixo por dia. No Brasil, são 240 mil toneladas diárias. Evitar que boa parte desses detritos vá parar em lixões, onde a sua decomposição polui o ar e o solo, é uma das utilidades do programa de reciclagem Verdes, que acaba de ganhar uma nova versão.

Criado pelo consultor ambiental e economista Márcio Magera, ele calcula o valor da reciclagem de diversos produtos e mostra, A por B, que raspas e restos interessam a todos.

- O programa pode ser usado tanto por uma prefeitura como por um condomínio - garante Magera, autor do livro "Os empresários do lixo: um paradoxo da modernidade", sobre as cooperativas de reciclagem de lixo.

Magera criou o programa - que é gratuito e pode ser baixado no site www.setp.pr.gov.br/verdes - em 2005, quando fazia doutorado em Sociologia na Unicamp. O trabalho foi uma forma de retribuir a ajuda e deixar o mundo um pouco melhor.

- Depois que o livro saiu, muitas prefeituras começaram a me ligar para calcular para elas o potencial de geração de resíduos. E esse cálculo dá muito trabalho. Foi aí que nasceu a idéia do Verdes - conta
Verdes, explica Magera, é a abreviatura para Viabilidade Econômica de Reciclagem dos Resíduos Sólidos. Por isso, o programa, aborda resíduos sólidos urbanos como latas de alumínio, ferro, papel e papelão, vidro e plásticos.

Curiosamente, Verdes é dividido em versões para países desenvolvidos e não desenvolvidos. Magera explica a razão dessa separação:
- É que o tipo de lixo varia muito. Os ricos produzem mais lixo seco e os pobres mais lixo úmido, além de outras diferenças técnicas.

O Globo, 31/08/2007, Ciencia, p. 39

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.