VOLTAR

Um mundo melhor, a começar pela Baixada

O Globo, Razão Social, p. 12-13
14 de fev de 2005

Um mundo melhor, a começar pela Baixada

Por Aydano André Motta

As ondas gigantes da Ásia trouxeram morte e destruição, mas deixaram algumas lições. A mais eloqüente (e urgente): estamos todos no mesmo barco - a terra - e permanentemente vulneráveis a solavancos apocalípticos. Para prevenir ao menos alguns deles, cuidar do planeta sem distinções ou preconceitos é a única estratégia possível. Seja na Holanda, seja em Nova Iguaçu. Afinal - Reza o axioma -, é tudo um planeta só.
O Protocolo de Moto, conjunto de ações e metas globais que entra em vigor este mês, para combater os danos crescentes do efeito estufa, professa a lógica. 0 sistema de créditos de carbono permite que nações ricas cumpram suas metas de redução na emissão de gases previstas no compromisso em qualquer lugar do mundo. Pode ser no seu próprio território ou com investimentos (a "compra') na melhoria ambiental de países em desenvolvimento - caso do Brasil.

É daqui o primeiro programa do tipo aprovado pelo Banco Mundial (Bird) em todo o mundo. Beneficia a população de Nova Iguaçu, a maior cidade de um emblema brasileiro de miséria chamado Baixada Fluminense. Um lixão que recebia 1.500 toneladas de detritos por dia foi fechado e passou por profunda recuperação ambiental. Para substituí-lo, foi construído em Adrianópolis um Centro de Tratamento de Resíduos (CTR), com aterro sanitário impermeabilizado e unidades para tratamento de entulhos e de lixo hospitalar. Quase um milagre ambiental, num país onde 70% dos dejetos são abandonados sem qualquer tratamento, ao léu.

0 projeto foi concebido pela empreiteira S.A. Paulista, vencedora da concorrência para operar a estação de lixo da cidade. A construção do CTR, que completa dois anos em fevereiro, vive agora a fase mais agradável (ecologicamente falando): a recuperação ambiental, com o replantio de mudas e a valorização do espaço, que vai ganhar uma área de lazer ou um posto de saúde.

- Nossa idéia foi dar o melhor tratamento à questão do lixo na cidade - explica Artur Cesar de Oliveira, diretor de meio-ambiente da empreiteira. - 0 principal foco é fazer além do que determina a lei, estendendo as ações e proporcionando uma melhoria local imediata - ensina ele.

A cereja do bolo é a Nova Gerar, jointventure da S.A. Paulista com a EcoSecurities (empresa financeira direcionada ao meio ambiente), que materializou o projeto de geração de energia com gás metano, o segundo agente mais poderoso no efeito estufa, liberado justamente na decomposição de matéria orgânica. Ao mesmo tempo, eliminar o chorume, o líquido que escorre do lixo abandonado. A iniciativa foi a primeira do mundo oficialmente inscrita como projeto de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) do Protocolo de Moto. 0 registro foi feito no Comitê de Mecanismo do Desenvolvimento Limpo, da ONU, em 18 de novembro de 2004.

Metade das emissões é vendida ao Bird que, segundo estimativas de mercado, paga em torno de US$ 4 por tonelada, garantindo um mecanismo financeiro de sustentação da iniciativa.

- É o exemplo mais construtivo de globalização - comenta Nuno Cunha e Silva, sócio da EcoSecurities. - Além de reduzir as emissões nocivas ao meio ambiente, estamos fomentando o desenvolvimento sustentável - acrescenta ele.

Aqui, surge o braço social do projeto Nova Gerar, exigência, aliás, do Banco Mundial para garantir o investimento. Cerca de 150 catadores que sobreviviam em condições inumanas, disputando as montanhas de dejetos com urubus e outros bichos, passaram por um censo feito pela S.A. Paulista em parceira com o Sebrae e foram aproveitados nas obras do CTR. Agora, são pedreiros, pintores, eletricistas, jardineiros, trabalhadores dignos, com direito à carteira assinada, prática crescentemente rara num país onde a informalidade campeia.

0 investimento total da empreiteira, desde o licenciamento ambiental da obra até a recuperação paisagística, chegou a US$ 15 milhões (cerca de R$ 40 milhões), sendo US$ 800 mil (pouco mais de R$ 2 milhões) no projeto dos créditos de carbono. Toda a operação foi aprovada em inspeções sucessivas dos técnicos do Banco Mundial, para aferir a adequação do projeto às normas ambientais da instituição.

- A repercussão tem sido ótima com os acionistas - confirma Oliveira. - Foi uma emoção enorme para os funcionários conseguir a assinatura do compromisso com o governo holandês, via Banco Mundial. Ficamos todos muito orgulhosos - festeja.
0 projeto não pára de crescer. Agora mesmo, o Sebrae promoveu o curso "Aprendendo a empreender" para os ex-catadores e seus familiares seguirem investindo na reconstrução de suas vidas. Enquanto isso, a globalização do bem vai ajudando o "barco" Terra, aquele no qual estamos todos, a navegar num meio ambiente um pouquinho menos hostil.

Um dos maiores avanços da História da Humanidade
Protocolo entra em vigor depois de amanhã

Um dos maiores avanços na preservação ambiental da História da Humanidade, o Protocolo de Kioto entrará em vigor depois de amanhã. Trata-se de um instrumento para implementar a Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Seu objetivo é forçar os países industrializados (à exceção dos EUA, que se recusam a participar do acordo) a reduzir e controlar até 2012 as emissões de gases causadores do efeito estufa. Os índices precisam cair 5% abaixo dos registrados em 1990.

Os países assumiram metas diferentes dentro dos objetivos globais. As partes do protocolo podem buscar a redução em nível doméstico ou por meio dos "mecanismos flexíveis" (comércio de emissões, mecanismo de desenvolvimento limpo), que servirá para abater as metas de carbono absorvidas nos chamados "sorvedouros", como florestas e terras agrícolas. Os países que não atingirem as metas poderão ser punidos.

Até 2005, todos os signatários do compromisso terão de mostrar "progresso evidente" no cumprimento dos índices. 0 protocolo não faz novas exigências aos países em desenvolvimento além das determinadas pela Convenção sobre o Clima das Nações Unidas de 1992. No maior acerto do documento referendado em Kioto, os principais responsáveis pelas emissões que causam o aquecimento global - os países industrializados - devem ser os primeiros a tomar medidas de controle.

E logo. Especialistas estimam que o efeito estufa tem a magnitude de uma tragédia nuclear, com a diferença que ocorre lentamente. (A. A. M)

Quem ganha
Até o projeto aqui começar, nunca tinha feito nada na vida, a não ser trabalhar como catadora. Tenho um emprego direito, com salário, férias, carteira assinada e estou aprendendo até jardinagem. Agradeço muito, porque agora ando limpinha, e não com aquela sujeira do lixão. "

Marlene da Silva Barbosa, 51 anos, catadora de lixo por 16 anos, hoje trabalha no viveiro de mudas do CTR

O Globo, 14/02/2005, Razão Social, p. 12-13

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.