VOLTAR

Um ano após a Rio+20, ministra defende a mudança no consumo

MMA - http://www.mma.gov.br/
Autor: Lucas Tolentino
12 de ago de 2013

Transparência, multilateralismo e engajamento social. Esses são os principais desafios impostos no primeiro ano que seguiu à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, (Rio+20), realizada no Rio de Janeiro, em junho de 2012. A avaliação foi feita pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em seminário realizado nesta segunda-feira (12), na capital fluminense.

O evento "Rio+20 - um ano depois: o balanço da conferência e seu legado para a sociedade" reuniu autoridades e especialistas na área ambiental para discutir os resultados da cúpula. "É preciso que os países desenvolvidos participem efetivamente do debate", defendeu a ministra. "O mundo tem de mudar os padrões atuais de consumo", acrescentou.

VISÃO UNIVERSAL

A ministra destacou o protagonismo do Brasil na agenda ambiental e a necessidade de mudanças nas iniciativas propostas a nível mundial para o tema. "Nasce uma visão universal de que os países precisam oferecer segurança e definir responsabilidades para a sociedade", analisou.

De acordo com ela, diversos pontos ligados à agenda ambiental compõem o legado da Rio +20. "Apesar de não estar explícita, a questão ambiental tangecia todo esse debate político", exemplificou Izabella Teixeira. "Há também uma discussão ampla em torno da temas como água e geração de energia."

O secretário de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, enfatizou que temas como biodiversidade, política de resíduos sólidos e mitigação e adaptação às mudanças climáticas avançaram no país. "Existe, hoje, uma série de entendimentos setoriais voltados para a redução de emissões de gases de efeito estufa", citou.

http://www.mma.gov.br/informma/item/9544-um-ano-ap%C3%B3s-a-rio-20,-min…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.