VOLTAR

UCs abrigam duas espécies novas e raras de bromélias

ICMBio - http://www.icmbio.gov.br/
Autor: ICMBio
17 de abr de 2019

UCs abrigam duas espécies novas e raras de bromélias
17 de Abril de 2019, 17h58
Descoberta é fruto do trabalho de catalogação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Os parques nacionais da Bodoquena (Mato Grosso do Sul) e da Chapada dos Guimarães (Mato Grosso) abrigam duas novas e raras espécies de bromélia. A descoberta é fruto do trabalho de catalogação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, e ganhou um artigo sobre o assunto. Na Unidade de Conservação da Bodoquena a espécie nova de bromélia é a Fosterella bodoquenensis, e, no Parna da Chapada dos Guimarães, é a Fosterella lilliputiana.

Segundo pesquisadores, as Fosterellas são muito raras no Brasil. A descoberta reforça a importância das unidades de conservação para a conservação e manutenção a longo prazo da flora brasileira.

As bromélias (família que tem no abacaxi seu exemplar mais conhecido) é um dos grupos de plantas com maior número de espécies no território brasileiro, com grande diversidade na Floresta Atlântica e no Cerrado, os dois hotspots de biodiversidade do Brasil. Normalmente, as espécies deste grupo possuem distribuição restrita, ou seja, ocorrem em pequenas áreas.

Estas duas espécies descritas no artigo e abrigadas nas UCs ocorrem em ambientes muito específicos e são muito sensíveis a perda de habitat. Elas gostam de sombra e água fresca. Normalmente estão em paredões úmidos e sombreados pela floresta que cresce nestas áreas.

Segundo a pesquisadora do Jardim Botânico, a descoberta de novas espécies de plantas para a ciência dentro das UCs e fora delas em pleno século XXI mostra que ainda há muito trabalho na catalogação da biodiversidade. O Brasil descreve em média 250 novas espécies de plantas por ano.

http://www.icmbio.gov.br/portal/ultimas-noticias/20-geral/10275-ucs-abr…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.