VOLTAR

Tribunal Russel: índios guatemaltecos denunciam genocídio em seu país

Diário Popular (São Paulo - SP)
27 de nov de 1980

A morte de trinta pessoas através do incêndio da embaixada espanhola na Guatemala foi denunciada no Tribunal Russel como um processo de genocídio vivido pelos índios guatemaltecos. Os índios presentes no Tribunal denunciaram a situação vivida em seu país, afirmando que, apesar de serem maioria, eles são vítimas de roubo de terras, discriminação e marginalização quanto a educação, saúde, habitação e alimentação. Além de numerosos índios, no ano do Tribunal foram assassinados setenta sindicalistas, sessenta e três estudantes, quarenta e um catedráticos, treze jornalistas, trinta e oito dirigentes políticos e quatro sacerdotes. Os índios, entre outros pontos, também pediram a condenação dos governos da Argentina, Chile, Israel, Estados Unidos e Suíça por ajudarem na repressão exercida por seu país.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.