VOLTAR

Tribo Katukina entre as prioridades do Fome Zero

Página 20-Rio Branco-AC
Autor: Edmilson Ferreira
08 de jul de 2004

A segurança alimentar dos índios Katukina, no Vale do Juruá, é uma das prioridades para programa de desenvolvimento sustentável em comunidades indígenas do Programa Fome Zero. Os Katukina há anos vem sendo afetados pela introdução de costumes alheios à cultura e por obras como a construção da BR 364, e os projetos agropecuários, cujo início não realizou estudo de impacto sócio-ambiental na região. "Na terra dos Katukina a produção de alimentos é insuficiente. Não há insumos e equipamentos para atividades produtivas. Rios sem peixes, desnutrição severa. Fome. Alto índice de mortalidade", informa o Fome Zero.
O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) diz que a situação dos Katukina é uma realidade específica da aldeia Campinas, cortada pela BR-364. O governo do Acre vem promovendo ações que buscam reduzir os impactos negativos trazidos pela rodovia mas, para o Cimi, é preciso ampliar o debate com a comunidade sobre as possíveis soluções de seus problemas. "Essa terra indígena é cercada de fazendas e afetada pela BR", explicou Charles Falcão, coordenador do Cimi.
RECUROS - De acordo com informe do Fome Zero, serão destinados, inicialmente, R$ 7 milhões para produção sustentável, beneficiamento e comercialização de alimentos, produtos agroextrativistas e artesanais em mais de 76 comunidades em todo o país. As comunidades, localizadas em áreas consideradas prioritárias, foram selecionadas no início deste mês, durante oficina de trabalho com representantes de organizações e lideranças indígenas, técnicos do Ministério do Meio Ambiente, Funai, Funasa, Embrapa e organizações não governamentais. A escolha levou em consideração questões como escassez de água e acesso dificultado, falta ou insuficiência de produção agrícola, e degradação ambiental acentuada das terras.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.